Questão de perspectiva

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 6 de janeiro de 2020 as 09:41, por: CdB

Quando um povo perde a perspectiva tudo fica mais difícil, sobretudo numa situação como a atual em que a dita correlação de forças no terreno da política segue desfavorável ao campo popular e democrático.

Por Luciano Siqueira – de Brasília

Era o grupo “de sempre”, se é que o termo ainda se aplica ao grupo, pois já fazia meses que não sentavam à mesa do bar para jogar conversa fora.

Quando um povo perde a perspectiva tudo fica mais difícil
Quando um povo perde a perspectiva tudo fica mais difícil

Mas aquele reencontro era especial, uma espécie de saideira de 2019 e de bons agouros para 2020.

O Moreira havia levado uma boa cachaça de São José de Mipibu (RN) e depois da terceira rodada, a turma já animada, começaram os intermináveis brindes com chope. Para lavar.

Aí o Gouveia, assessor de imprensa de uma empresa estatal do município, introduziu a pergunta:

— Respondam todos, qual o seu principal desejo para 2020?

Dois disseram de pronto que gostariam de ver o Bolsonaro transferido para o Inferno. Um pediu que o Santa Cruz ganhasse o campeonato pernambucano. E os demais (eram sete no grupo) se dispersaram em questões estritamente pessoais.

— Não nego — falou emocionado o Belarmino, queria mesmo era a volta da Marineide, referindo-se a ex-esposa que um dia cansara de suas farras fenomenais e batera em retirada.

O Epaminondas, então, sempre ele, resolveu baixar o nível das pretensões e sapecou:

— Para mim basta que jamais uma mosca caia na minha tulipa de chope!

Meio que recolhido a posição de mero observador, neutro e atento, preferi não participar do certame e me pus a refletir sobre aquela manifestação de desejos movida a oxidrilas.

— Uma questão de perspectiva, pensei comigo mesmo. Dos rumos da nação a questiúnculas domésticas, em confidências de mesa do bar tudo vale a pena quando a sinceridade não é pequena.

É assim se dá entre os mais de 200 milhões de brasileiras e brasileiros, submetidos a tremenda crise econômica, que lhes cria quase insuportáveis condições de sobrevivência, pelo menos para a maioria.

Popular e democrático

Quando um povo perde a perspectiva tudo fica mais difícil, sobretudo numa situação como a atual em que a dita correlação de forças no terreno da política segue desfavorável ao campo popular e democrático.

Estivesse entre aqueles sete amigos, a confraternizar com cachaça e chope, algum dirigente partidário da estirpe de um Lula ou de um Ciro Gomes, eu teria dito:

— Ouçam o governador maranhense Flavio Dino, do PCdoB, que defende uma ampla união das oposições para que o Brasil possa se livrar da praga bolsonarista!

Isto posto, segui mais uma rodada de chope apoiada numa excelente dobradinha.

E que venha um 2020 de muita luta e novas conquistas!

Luciano Siqueira, é Médico, vice-prefeito do Recife, membro do Comitê Central do PCdoB

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *