No rádio, desgaste e resistência

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 29 de março de 2019 as 09:35, por: CdB

Mesmo com a multiplicidade e a sofisticação das mídias, continuo ouvinte do rádio. E creio que parcela expressiva da população também, embora eu não tenha em mãos dados estatísticos sobre o assunto. 

Por Luciano Siqueira  – de São Paulo

Até emissoras que nos boletins do Ibope aparecem com “traço” de audiência têm seu nicho. Sempre que entrevistado por uma delas, alguém comenta que me ouviu.

Mesmo com a multiplicidade e a sofisticação das mídias, continuo ouvinte do rádio

Então, agora que com pouco mais de dois meses de governo o capitão Bolsonaro amarga corrosão progressiva dos seus índices pessoais de popularidade e de aprovação de sua gestão, o rádio cumpre o seu papel.

No rádio, ouço logo cedo o lamento de comentaristas econômicos quanto à incapacidade do presidente da República negociar apoio parlamentar para a reforma da Previdência.

O Mercado, dizem, anda exasperado. Há uma tendência de queda do índice Bovespa e de aumento progressivo do dólar; investidores estrangeiros, que se mostravam animados a voltar a investir no Brasil, se retraem.

Diante de tanta incerteza, os chamados capitais de risco se manterão equidistantes, comentam.

Ou seja, o Mercado elegeu um presidente compromissado com as altas esferas do rentismo que não está se mostrando capaz de entregar a encomenda.

De passagem, vale anotar que as tresloucadas postagens do capitão presidente e seus filhos diletos no Twitter não são sendo suficientes para convencer a maioria.

Tanto que há dias vem sendo anunciada nova mudança na equipe de comunicação do Planalto, justamente para tentar o desgaste, sobretudo nos grandes centros urbanos, a partir de São Paulo.

Quando o “inimigo” se embaraça, cá do campo das forças oposicionistas cabe atenção, bom senso e sagacidade. Para lhe impor derrotas parciais que, num processo cumulativo, possam contribuir para uma alteração futura da correlação de forças.

A aprovação pela Câmara dos Deputados, por ampla maioria, da emenda constitucional que restringe a quase zero o controle do Executivo sobre a execução do Orçamento Geral da União, em tese uma ideia discutível, se constitui em derrota expressiva do governo.

Agora, numa combinação entre a resistência no parlamento e a luta na base da sociedade, urge erguer com firmeza e argumentação compreensível pela maioria as bandeiras da defesa da Previdência Social pública e da Educação pública de qualidade, ambas ameaçadas pelo governo.

Em outras palavras, trata-se da luta de ideias em todos os níveis, tendo como vetor a resistência de democrática e a construção de uma vontade oposicionista a mais ampla possível, no parlamento, nos salões, nas redes, no rádio e nas ruas.

Luciano Siqueira, é médico, vice-prefeito do Recife, membro do Comitê Central do PCdoB.

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *