Rebelião em presídio de Goiás deixa mortos e feridos

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 2 de janeiro de 2018 as 11:30, por: CdB

Durante o confronto, os detentos chegaram a incendiar a unidade prisional. Foi preciso a ação do Copro de Bombeiros para apagar o incêndio

Por Redação, com ABr – de Brasília:

A Superintendência Executiva de Administração Penitenciária (Seap) confirmou, por meio de nota divulgada na noite anterior, que nove presos morreram e 14 ficaram feridos, durante rebelião na Colônia Agroindustrial do Regime Semiaberto, no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, cidade da região metropolitana de Goiânia.

Rebelião deixou rastro de destruição no presídio da Grande Goiânia

Segundo a Seap, a rebelião começou quando presos que estavam na ala C,  invadiram as alas A, B e D. Durante o confronto, os detentos chegaram a incendiar a unidade prisional. Foi preciso a ação do Copro de Bombeiros para apagar o incêndio. Por volta das 16 horas, o presídio foi retomado pelo Grupo de Operações Penitenciárias Especiais (Gope), com  apoio do Batalhão de Choque da Polícia Militar.

O Grupo de Radiopatrulha Aérea (GRAer) da Polícia Militar também deu apoio no local; desde o início da rebelião, na contenção de fugas e na recaptura de foragidos. A Seap informou ainda que 106 presos fugiram no momento da rebelião, sendo que 29 foram recapturados, e 127 deixaram o presídio durante a confusão, mas retornaram voluntariamente após o fim da rebelião.

Nesta terça-feira, o superintendente executivo de Administração Penitenciária; tenente-coronel Newton Castilho; concedeu entrevista à imprensa na Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária, no setor Aeroviário, em Goiânia.

Exército assume função de polícia no Estado do RN

O governo do Rio Grande do Norte transferiu o controle dos órgãos de segurança pública do Estado para o Exército. A medida ocorre em meio à paralisação de policiais militares e civis; devido ao atraso no pagamento dos salários. O Estado autorizou o governo federal para uso das Forças Armadas.

Em decreto publicado neste sábado, no Diário Oficial do Estado, o governador Robinson Faria formalizou o general de brigada Ridauto Lúcio Fernandes como o comandante encarregado das operações militares nas regiões metropolitanas de Natal e de Mossoró; as duas maiores cidades do Rio Grande do Norte. A ação de Garantia da Lei e da Ordem começou na véspera. Caso não seja prorrogada, encerra-se no dia 12 de janeiro.

Os primeiros 500 integrantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica já estão no estado desde a noite passada. Nas próximas 48 horas, mais 1,5 mil militares serão deslocados para o Estado.

Desde o último dia 19, integrantes das polícias militar e civil e do Corpo de Bombeiros paralisaram parcialmente as atividades em protesto contra o atraso no pagamento do 13º e de salários atrasados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *