Regulador antitruste da França multa Apple em US$ 1,2 bilhão

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Tablet & Celulares, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 16 de março de 2020 as 11:35, por: CdB

A multa, a maior já aplicada pelo órgão francês, ocorre em um momento de maior escrutínio sobre gigantes da tecnologia dos EUA por parte de reguladores europeus, que investigam a poderosa posição de mercado de tais empresas.

Por Redação, com Reuters – de Paris/Nova York

O órgão de controle da concorrência da França multou a Apple nesta segunda-feira em 1,1 bilhão de euros (US$ 1,23 bilhão), alegando que a empresa é culpada de comportamento anticompetitivo devido à sua rede de distribuição e varejo.

A Apple disse que recorrerá da decisão do órgão e que ela está em desacordo com o precedente legal na França
A Apple disse que recorrerá da decisão do órgão e que ela está em desacordo com o precedente legal na França

A multa, a maior já aplicada pelo órgão francês, ocorre em um momento de maior escrutínio sobre gigantes da tecnologia dos EUA por parte de reguladores europeus, que investigam a poderosa posição de mercado de tais empresas, os impostos que pagam e como protegem a privacidade dos consumidores.

A Apple disse que recorrerá da decisão do órgão e que ela está em desacordo com o precedente legal na França.

O órgão regulador francês

Em sua decisão, o órgão regulador francês disse que a Apple impôs preços aos revendedores premium de varejo, para que os preços fossem alinhados com os praticados pela empresa californiana em suas próprias lojas ou na internet.

O órgão disse que os dois revendedores oficiais da Apple na França seguiram totalmente as instruções da empresa sobre como alocar seus produtos aos clientes, em vez de determinar livremente sua política comercial.

Os dois revendedores, Tech Data e Ingram Micro, foram multados em 76 milhões e 63 milhões de euros, respectivamente, informou a autoridade. A Tech Data não teve nenhum comentário imediato a fazer e a Ingram Micro não pôde ser encontrada imediatamente.

“A decisão da autoridade francesa de concorrência é desanimadora”, afirmou a Apple em comunicado anunciando que planeja recorrer.

“Ele se relaciona com práticas de mais de uma década atrás e descarta 30 anos de precedentes legais nos quais todas as empresas na França confiam com uma ordem que causará caos para empresas de todos os setores”.

Apple fechará lojas pelo mundo

A Apple Inc disse na noite da última sexta-feira que irá fechar todas suas lojas de varejo pelo mundo, à exceção das localizadas na Grande China, por duas semanas, em medida que visa minimizar os riscos de transmissão do coronavírus.

– Nós estaremos fechando todas nossas lojas de varejo for a da Grande China até 27 de março – disse o presidente da Apple, Tim Cook, em carta publicada no site da companhia.

– Em todos nossos escritórios pelo mundo fora da Grande China nós estaremos adotando esquemas flexíveis de trabalho – acrescentou ele. “Isso significa que membros da equipe devem trabalhar remotamente se possível”.

A Apple reabriu todas suas 42 lojas na China na sexta-feira.

A companhia ainda tem realizado doações em resposta à disseminação global do coronavírus, para ajudar a tratar os que ficaram doentes e para tentar minimizar impactos econômicos e sobre a comunidade. As doações somavam US$ 15 milhões na sexta-feira, escreveu Cook na carta.

Mais de 138 mil pessoas foram infectadas com a doença pelo mundo e mais de 5 mil morreram, segundo contagem da agência inglesa de notícias Reuters com dados anunciados por governos.

Google e Walmart

Empresas norte-americanas se juntaram aos esforços contra a disseminação do coronavírus, com o presidente Donald Trump e executivos anunciando que o Google oferecerá um site para ajudar as pessoas a determinar se precisam de testes, enquanto varejistas vão montar testes drive-thru em estacionamentos.

As ações da Alphabet, dona do Google, do Walmart, da Target e da proprietária de farmácias CVS fecharam com mais de 9%, em linha com o mercado de ações.

A pressão tem aumentado sobre autoridades dos EUA para ampliar e melhorar os testes do vírus que se espalha rapidamente e infectou mais de 1.660 pessoas nos país.

– Quero agradecer ao Google. O Google está ajudando a desenvolver um site, que será feito muito rapidamente, para determinar se um teste é necessário e facilitar o teste em um local conveniente nas proximidades – disse Trump.

– O Google tem 1,7 mil engenheiros trabalhando nisso agora, fez um tremendo progresso.

A Verily, empresa de tecnologia da saúde também da Alphabet, afirmou estar liderando esforço para desenvolver a ferramenta da web para testes com a ajuda dos engenheiros do Google.

– Estamos nos estágios iniciais de desenvolvimento e planejamos lançar testes na área da baía de São Francisco, com a esperança de expandir mais amplamente ao longo do tempo – disse a porta-voz da Verily, Kathleen Parkes.

Ela não respondeu a perguntas sobre como o esforço se originou, a extensão do envolvimento do Google e como os dados das pessoas seriam protegidos e usados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *