Reino Unido espera receber milhões de doses da vacina Pfizer e BioNTech 

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 4 de dezembro de 2020 as 10:37, por: CdB

O Reino Unido espera que milhões de doses da vacina contra covid-19 da Pfizer/BioNTech sejam entregues até o final do ano, mas o total dependerá do quão rapidamente o imunizante poderá ser fabricado, disse o ministro britânico dos Negócios, Alok Sharma, nesta sexta-feira.

Por Redação, com Reuters – de Londres

O Reino Unido espera que milhões de doses da vacina contra covid-19 da Pfizer/BioNTech sejam entregues até o final do ano, mas o total dependerá do quão rapidamente o imunizante poderá ser fabricado, disse o ministro britânico dos Negócios, Alok Sharma, nesta sexta-feira.

Seringas em frente aos logos da Pfizer e da BioNTech
Seringas em frente aos logos da Pfizer e da BioNTech

O Reino Unido aprovou a vacina contra covid-19 da Pfizer na quarta-feira, passando na frente do resto do mundo na corrida para começar o programa de inoculação em massa mais importante da história.

No mês passado, o país disse que espera 10 milhões de doses do imunizante ainda em 2020, mas o governo disse que o ritmo da distribuição dependerá da entrega, tendo encomendado um total de 40 milhões de doses, o suficiente para vacinar 20 milhões de pessoas.

Sharma disse acreditar que a primeira leva de 800 mil doses estará disponível para ser distribuída na semana que vem, mas não informou uma cifra exata sobre quanto o país receberá antes do final do mês.

– Estamos começando inicialmente com 800 mil, e depois vamos ver onde chegamos até o final do ano em termos dos números que adquirimos. Isso dependerá da fabricação – disse Sharma à rede Sky News.

União Europeia e Estados Unidos

O Reino Unido usou um processo de aprovação de emergência para passar à frente da União Europeia e do Estados Unidos nos planos de distribuição da vacina.

Anthony Fauci, o principal especialista em doenças infecciosas dos EUA, pediu desculpas na quinta-feira por lançar dúvidas sobre o rigor das agências reguladoras britânicas que a aprovaram, dizendo que tem fé na qualidade de seu trabalho.