Reino Unido precisa de regras mais rígidas para evitar ‘catástrofe’, diz epidemiologista

Arquivado em: Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 29 de dezembro de 2020 as 14:02, por: CdB

O governo do Reino Unido precisa adotar regras mais rígidas para um lockdown contra o coronavírus para evitar uma nova onda de mortes de uma nova variante da doença, alertou nesta terça-feira um epidemiologista destacado que aconselha o governo.

Por Redação, com Reuters – de Londres

O governo do Reino Unido precisa adotar regras mais rígidas para um lockdown contra o coronavírus para evitar uma nova onda de mortes de uma nova variante da doença, alertou nesta terça-feira um epidemiologista destacado que aconselha o governo.

Pedestres caminham perto de placa que sinaliza distanciamento social em Londres
Pedestres caminham perto de placa que sinaliza distanciamento social em Londres

O país relatou 41.385 casos novos de covid-19 na segunda-feira, o número mais alto desde que os exames se tornaram amplamente disponíveis em meados do ano, e os hospitais ingleses dizem que estão com mais pacientes de covid-19 do que durante a primeira onda da pandemia, em abril.

– Estamos entrando em uma fase nova muito perigosa da pandemia, e precisaremos de uma ação nacional precoce decisiva para evitar uma catástrofe em janeiro e fevereiro – disse Andrew Hayward, professor de epidemiologia de doenças infecciosas do University College de Londres.

Mais de 71 mil pessoas morreram no país 28 dias depois de um exame positivo da doença.

Medidas de lockdown

Hayward, que integra o comitê de aconselhamento sobre doenças respiratórias do governo britânico, disse que a nova linhagem da covid-19, que infecta as pessoas com mais facilidade, significa que as medidas de lockdown em vigor na Inglaterra dificilmente bastarão para frear a disseminação da doença.

No dia 26 de dezembro, o governo britânico ampliou o nível mais rigoroso de restrições da covid-19, conforme o qual varejistas não essenciais têm que fechar e as pessoas têm que evitar encontros pessoais, para quase metade da população da Inglaterra.

Hayward disse à rede BBC que estas limitações têm que ser ampliadas ainda mais.

– Realmente estamos diante de uma situação na qual caminhamos para um quase lockdown – disse.