Reino Unido irá proibir venda de filhotes em pet shops

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 27 de dezembro de 2018 as 13:23, por: CdB

Governo anuncia nova legislação para o próximo ano, após 95% dos britânicos votarem a favor da proibição em consulta. Objetivo é reprimir a exploração e o abuso contra cães e gatos em criadouros para reprodução.

Por Redação, com DW – de Londres

O Reino Unido vai proibir a venda de filhotes de cachorros e gatos em pet shops, numa tentativa de frear a exploração e o abuso de animais. Segundo o governo britânico, a nova legislação deve entrar em vigor no próximo ano.

Estima-se que 49% dos adultos britânicos tenham ao menos um animal de estimação

– Isso significa que qualquer um que queira comprar ou adotar um filhote com menos de seis meses terá que negociar diretamente com o criador ou com um centro de realojamento de animais – informou o Ministério de Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais (Defra).

O governo acredita que a nova lei vai ajudar a reprimir as chamadas “fazendas de filhotes”, onde muitos animais são criados para reprodução em condições inadequadas, além de dificultar os negócios de comerciantes que não pensam no bem-estar dos bichos.

O parlamentar britânico David Rutley, que comanda a área responsável pelo bem-estar animal do Defra, declarou que a proibição é “parte do nosso compromisso em certificar que (animais de estimação) tenham o melhor início de vida possível”.

A decisão sobre a nova legislação vem após a realização de uma consulta pública que apontou que impressionantes 95% da população britânica apoia o veto à venda de filhotes.

Grupos que lutam pelos direitos dos animais, como o abrigo Battersea Dogs & Cats Home, uma das organizações que resgatam gatos e cães necessitados mais conhecidas do Reino Unido, celebraram a medida do governo, descrevendo-a como um importante passo à frente.

O veterinário Marc Abraham, fundador da organização Pup Aid, que luta contra fazendas de filhotes, disse que a lei é “uma verdadeira vitória para os ativistas, mas também para os cachorros e gatos do Reino Unido”. Para ele, o veto tende a tornar os criadores de animais para reprodução mais responsáveis, além de dificultar a venda de filhotes ilegalmente contrabandeados.

Lei

A nova legislação tem sido chamada de Lei de Lucy, em homenagem a uma cadela resgatada em péssimas condições de uma fazenda de filhotes no País de Gales em 2013. Lucy, que morreu em 2016, passou a maior parte da vida presa numa pequena gaiola, sem conseguir se movimentar.

A ativista Lisa Garner, que cuidou da cadela até sua morte, lançou então uma campanha de conscientização nas redes sociais que mudou a forma como os britânicos pegam seus animais de estimação.

A instituição de caridade veterinária People’s Dispensary for Sick Animals (PDSA) estima que 49% dos adultos britânicos tenham ao menos um animal de estimação em casa. A população de gatos no país chegou a 11 milhões em 2018, enquanto a de cachorros é de 8,9 milhões.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *