Relatório sugere mudanças profundas na segurança do Capitólio

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 9 de março de 2021 as 13:29, por: CdB

Revisão da segurança no Capitólio dos EUA é realizada após a invasão sangrenta de 6 de janeiro. Relatório afirma que força policial tem “falta de pessoal” e está “insuficientemente equipada e inadequadamente treinada”.

Por Redação, com Sputnik – de Washington

Revisão da segurança no Capitólio dos EUA é realizada após a invasão sangrenta de 6 de janeiro. Relatório afirma que força policial tem “falta de pessoal” e está “insuficientemente equipada e inadequadamente treinada”.

Relatório sugere mudanças profundas na segurança do Capitólio após invasão em janeiro

A presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, encomendou no mês passado ao tenente-general Russel Honoré, aposentado do Exército norte-americano, uma revisão de segurança do Capitólio. O relatório preliminar de 15 páginas, divulgado na segunda-feira pelo The Washington Post, descreve recomendações para resolver as deficiências identificadas na segurança física e operacional.

Mas não está claro se um Congresso dividido acatará a orientação ou se o relatório se tornará o mais recente ponto de ignição em um debate cada vez mais partidário sobre como os legisladores devem melhorar as fortificações do Capitólio e o quanto devem investir.

As recomendações de Honoré pedem 854 posições adicionais nas fileiras da Polícia do Capitólio, além das 233 posições que estão abertas agora. Na proposta de Honoré, que foi assinada por outros 15 membros da força-tarefa que conduz a revisão de segurança, os novos cargos incluiriam 424 contratações para operações especializadas, como coleta de inteligência, planejamento operacional e proteção de dignitários, além de 350 funcionários para facilitar o excesso de confiança nas horas extras.

“Este modelo não é apenas insustentável, ele deixa a força sem capacidade de puxar os oficiais da linha para treinar no nível individual, líder ou coletivo ou para se preparar para ameaças em evolução”, diz o relatório. Ele também observa uma falta de recursos de inteligência inerentes, o que deixou a Polícia do Capitólio “sem postura para rastrear, avaliar, planejar ou responder a essa infinidade de ameaças”.

Um aumento de 21% no orçamento da Polícia do Capitólio no ano fiscal de 2022 já foi solicitado pela chefe interina Yogananda D. Pittman para implementar as mudanças. Mas o líder da minoria da Câmara, Kevin McCarthy, questionou a confiabilidade da revisão de Honoré, acusando-o de “parcialidade” por sugerir que membros da Polícia do Capitólio e alguns legisladores republicanos podem ter sido cúmplices do ataque de 6 de janeiro liderado por partidários do presidente Donald Trump.

O terreno do Capitólio

As autoridades estimam que mais de 10 mil pessoas invadiram o terreno do Capitólio no início do ano em uma tentativa fracassada de impedir que os legisladores certificassem os resultados da eleição presidencial. Aproximadamente 300 pessoas foram indiciadas em conexão com a rebelião.

Um dos pontos do relatório pede mais verificações de antecedentes e procedimentos de triagem, bem como um investimento em cercas móveis e “cercas retráteis” ao redor do Capitólio e seus edifícios de escritórios. Além de recomendar que o chefe de polícia seja capaz de chamar reforços da Guarda Nacional e outras agências parceiras sem primeiro pedir permissão ao Conselho de Polícia do Capitólio.

Os democratas saudaram as recomendações da força-tarefa como respostas de bom senso para proteção contra ameaças de terrorismo doméstico. Mas alguns se perguntaram abertamente se iriam resolver o problema de forma adequada.

Na semana passada, Pittman explicou aos membros do Comitê de Apropriações da Câmara que atrasos no recrutamento de candidatos qualificados podem ser atribuídos a procedimentos de verificação mais rígidos, com o objetivo de garantir que nenhum simpatizante extremista seja selecionado.

No mês passado, a Polícia do Capitólio anunciou que seis policiais foram suspensos sem remuneração e outros 35 estão sob investigação, suspeitos de ligações com o motim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code