‘Relaxa, Donald’, ironiza Greta Thunberg 

Arquivado em: América do Norte, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 6 de novembro de 2020 as 10:29, por: CdB

Em resposta a tuíte em que Trump pede que contagem de votos nos EUA seja parada, ativista faz referência a publicação na qual o presidente norte-americano aconselhou a jovem a trabalhar seu “problema de controle de raiva”.

Por Redação, com DW – de Estocolmo

A ativista ambiental sueca Greta Thunberg, respondeu a um tuíte do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na noite de quinta-feira, afirmando que ele deveria “relaxar” em meio à apuração dos votos na eleição norte-americana.

Em outubro, Greta manifestou apoio a Joe Biden
Em outubro, Greta manifestou apoio a Joe Biden

A postagem da jovem de 17 anos é uma referência direta a um tuíte escrito por Trump no fim do ano passado, que zombou da adolescente por o que ele chamou de “problema de controle de raiva”.

Greta comentou em uma postagem de Trump que dizia “pare a contagem!”, escrita enquanto o republicano via o democrata Joe Biden avançar em estados-chave durante a contagem de votos na corrida à Casa Branca.

– Que ridículo. Donald deveria trabalhar o seu problema de controle de raiva e depois ir a um bom e velho cinema com um amigo! Relaxa, Donald, relaxa! – escreveu Greta.

Em dezembro do ano passado, depois que Greta foi eleita a Pessoa do Ano pela revista Time, Trump zombou da jovem por os apelos apaixonados dela para que governos agissem para frear o aquecimento global.

– Que ridículo. Greta deveria trabalhar seu problema de controle de raiva e depois ir a um bom e velho cinema com um amigo! Relaxa Greta, relaxa! – escreveu Trump na época, comentando um tuíte de outra pessoa que parabenizava Greta pela homenagem.

A ativista atualizou sua descrição

Na ocasião, a ativista atualizou sua descrição no Twitter para incluir: “Uma adolescente trabalhando em seu problema de controle de raiva. Atualmente relaxando e assistindo um bom e velho filme com um amigo.”

Nesta semana, os Estados Unidos saíram formalmente  do acordo climático de Paris , medida que havia sido prometida por Trump já em 2017.

Em outubro, Greta defendeu a candidatura de Biden, que prometeu devolver os EUA ao pacto global, caso seja eleito.

Com suas chances de reeleição diminuindo conforme a contagem de votos avança, Trump foi a público várias vezes após a eleição para afirmar que a votação estava sendo fraudada, mesmo sem apresentar provas. Sua campanha tentou impedir o seguimento da contagem em alguns estados onde o republicano aparecia em desvantagem ou onde Biden vinha diminuindo a diferença de votos.

Desde 2018, Greta, inspirou milhões de jovens em todo o mundo a saírem da escola e irem às ruas às sextas-feiras protestar em favor do clima, no movimento chamado “Fridays for Future”. Ela se transformou no rosto de um movimento global por uma política climática mais assertiva e já ganhou diversos prêmios e homenagens.

No final do ano passado, Greta mudou sua descrição biográfica no Twitter para “pirralha”, após ser chamada assim pelo presidente Jair Bolsonaro.