Rex Tillerson vê ‘pegadas’ de ingerência russa em eleições na América Latina

Arquivado em: América do Norte, América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018 as 15:07, por: CdB

Nos Estados Unidos existe uma investigação aberta pelo Departamento de Justiça sobre a suposta intervenção nas eleições de 2016 para favorecer o republicano Donald Trump contra a então rival democrata, Hillary Clinton

Por Redação, com EFE – de Washington:

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, afirmou nesta quarta-feira que foram notadas “pegadas” e “certos comportamentos” suspeitos, ao alertar sobre a possível interferência russa nas diversas eleições previstas para este ano na América Latina.

O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson

– Há muitas maneiras através das quais os russos podem se intrometer nas eleições. Acredito que o que vemos – e parte disso é através do que compartilhamos; com países que são nossos aliados – são certos comportamentos – disse Tillerson em entrevista à Fox em Bogotá, onde realiza uma visita oficial.

Tillerson ressaltou que o governo americano viu “algumas das pegadas da Rússia nas eleições que ocorreram na Europa”: “os europeus compartilharam isso conosco”, afirmou.

– Estamos vendo atividades similares nesta região. Há uma série de eleições importantes neste ano – acrescentou o diplomata sobre os pleitos que ocorrerão na América Latina ao longo de 2018.

Eleições

Neste ano serão realizadas eleições presidenciais na Costa Rica (4 de fevereiro); no Paraguai (22 de abril), na Colômbia (27 de maio); no México (1º de julho), no Brasil (7 de outubro) e na Venezuela (antes de maio; mas com data ainda não definida).

Tillerson encerrou nesta quarta-feira a visita à Colômbia como parte de sua primeira excursão latino-americana; que já o levou a México, Argentina e Peru. Na quinta-feira, a viagem será concluída na Jamaica.

Durante os últimos meses aumentaram as acusações dos EUA e vários governos europeus; pela suposta intervenção das autoridades russas em processos eleitorais do mundo mediante a propagação de notícias falsas na Internet; ou ataques virtuais de sistemas informáticos.

Nos Estados Unidos existe uma investigação aberta pelo Departamento de Justiça sobre a suposta intervenção nas eleições de 2016 para favorecer o republicano Donald Trump contra a então rival democrata, Hillary Clinton.