Rio alerta para baixa procura pela vacina contra a gripe entre crianças e gestantes

Arquivado em: Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 25 de maio de 2018 as 14:43, por: CdB

Só 18% das crianças foram imunizadas e entre as gestantes a situação também preocupa, pois só 28% tomou a vacina. Já entre os idosos, o número é um pouco maior, cerca de 44%

Por Redação, com ACS – do Rio de Janeiro:

A Secretaria de Saúde alerta para a baixa procura pela vacina contra a gripe entre o público-alvo da campanha no Estado do Rio de Janeiro. Só 18% das crianças foram imunizadas e entre as gestantes a situação também preocupa, pois só 28% tomou a vacina. Já entre os idosos, o número é um pouco maior, cerca de 44%. Em todo o Estado, a cobertura vacinal está em apenas 36%, a meta é imunizar cerca de 4,5 milhões de pessoas. A Campanha de Vacinação contra a Influenza começou no dia 23 de abril e vai até dia 1º de junho.

Só 18% das crianças foram imunizadas e entre as gestantes a situação também preocupa, pois só 28% tomou a vacina

Devem tomar a vacina gestantes, mulheres com até 45 dias após o parto; crianças com idades entre 6 meses e menores de 5 anos, pessoas com mais 60 anos, pacientes crônicos, além de profissionais de saúde e indígenas.

– Temos pouco mais de uma semana de campanha e contamos com o envolvimento de todos. A gripe não é uma doença grave, mas entre os grupos prioritários pode se agravar; sim, e a vacina é uma das melhores formas de evitar que isso aconteça – afirmou o secretário de Estado de Saúde, Sérgio Gama.

As doses aplicadas durante a 20ª Campanha de Vacinação contra a Influenza; programada pelo Ministério da Saúde, imunizam contra os três subtipos de gripe que mais circulam no inverno: A/H1N1, A/H3N2 e Influenza B.

Casos

De janeiro até 22 de maio deste ano, foram notificados 384 casos confirmados de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no Estado do Rio; sendo nove deles causados pelo vírus H1N1 e 19 provocados pelo vírus H3N2. No mesmo período foram notificados 39 óbitos por SRAG, sendo 3 por H3N2 e um por H1N1.

– Estamos entrando na época de maior circulação do vírus no território Fluminense; que é o inverno, e precisamos que a população procure um posto de saúde para se vacinar; a fim de evitar o aumento das chances de transmissão, além das formas mais graves da doença entre os grupos suscetíveis. É importante que todo público-alvo se vacine, mesmo os; que já se vacinaram em outra ocasião – comenta a subsecretária de Vigilância em Saúde, Cláudia Mello.

Tire suas dúvidas sobre a gripe:

O que é Influenza?

É uma doença viral febril, aguda, comumente conhecida como gripe, geralmente benigna e autolimitada. Caracteriza-se por sintomas como febre; tremores, dores de cabeça, dor de garganta e rouquidão, além de alterações respiratórias, como tosse seca e coriza. A infecção geralmente dura, aproximadamente, uma semana. Existem três tipos de vírus Influenza: A, B e C. O vírus Influenza C causa infecções respiratórias brandas; sem causar impactos na saúde pública ou estar relacionado com epidemias. Já os vírus A e B são responsáveis por epidemias sazonais. O vírus Influenza A é classificado ainda em subtipos H1N1 e H3N2, além do H7N9.

Transmissão

Ocorre pelo contato com pessoas infectadas, ao tossir; espirrar ou falar. Pode ser transmitida ainda indiretamente pelas mãos; após contato com superfícies contaminadas por secreções respiratórias.

Sintomas

Pessoas com gripe podem apresentar febre, tosse ou dor na garganta; além de dor de cabeça, dor muscular e nas articulações. Já o agravamento pode ser identificado por falta de ar; febre por mais de três dias, piora de sintomas gastrointestinais, dor muscular intensa e prostração (cansaço extremo).

Como se prevenir

A vacinação contra a gripe é a forma mais eficaz de evitar a doença, mas pequenas ações no dia a dia também podem ajudar; como manter as mãos sempre limpas, principalmente antes de consumir algum alimento; utilizar lenço descartável para higiene nasal; cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir; evitar tocar mucosas de olhos; nariz e boca; higienizar as mãos após tossir ou espirrar; não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas; manter os ambientes bem ventilados; evitar contato próximo com pessoas que apresentem sinais ou sintomas de gripe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *