Rio confirma variante Alpha do novo coronavírus no Estado

Arquivado em: Manchete, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 18 de junho de 2021 as 10:27, por: CdB

A Secretaria de Saúde alerta que, independentemente das variantes, as medidas de prevenção, diagnóstico e tratamento da covid-19 seguem as mesmas. Não haverá, portanto, alteração dos protocolos sanitários que já estão sendo adotados.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

A Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro já identificou casos da nova variante britânica do coronavírus, conhecida como Alpha (B.1.1.7) no Estado.

Nova variante britânica (B.1.1.7) foi identificada em São Gonçalo

Um deles é morador de São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro. O caso foi notificado pela Secretaria Estadual de Saúde do Rio às autoridades municipais de São Gonçalo em 9 de junho.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, o município ainda investiga se o paciente foi infectado dentro do Estado ou se o caso é importado, tendo vindo de outro Estado ou de outro país.

A Secretaria de Saúde alerta que, independentemente das variantes, as medidas de prevenção, diagnóstico e tratamento da covid-19 seguem as mesmas. Não haverá, portanto, alteração dos protocolos sanitários que já estão sendo adotados.

Vacinadas

O secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro (SMS), Daniel Soranz, informou na quinta-feira que o município é uma das primeiras capitais a encerrar a vacinação da população com 50 anos ou mais, o que acontecerá no próximo sábado.

Soranz comemorou também o fato de o Rio de Janeiro completar, esta semana, 50% das pessoas com 18 anos ou mais já vacinadas. “Cerca de 50% da população-alvo acima de 18 anos já se vacinaram na cidade do Rio de Janeiro com a primeira dose. As nossas metas estão sendo alcançadas antecipadamente na vacinação para covid-19 e a gente espera poder continuar acelerando, como vem fazendo na cidade do Rio. O principal ponto é que todas as vacinas que a gente recebe, a gente aplica o mais rápido possível”, afiançou o secretário.

Até quarta-feira, segundo dados da SMS, 2.585.448 pessoas haviam tomado a primeira dose da vacina contra a covid-19 no Rio, representando 49% da população carioca elegível para a vacinação (a partir de 18 anos). Deste total, 973.519 completaram o esquema vacinal, recebendo também a segunda dose do imunizante. A meta da secretaria é vacinar 90% da população carioca adulta até outubro, número estimado em 5.279.803.

Daniel Soranz revelou que o número de pessoas que não voltam para completar a imunização alcança 4% da população e estão com a segunda dose em atraso. “Setenta e nove mil pessoas não voltaram para tomar a segunda dose”. O secretário disse que todas as unidades de saúde estão fazendo uma busca ativa, ligando para todas as pessoas que não tomaram a segunda dose na data correta. Lembrou que a imunização para covid-19 só está completa 14 dias após a segunda dose e completou que quem está atrasado pode tomar a segunda dose a qualquer momento e em qualquer unidade de saúde da cidade.

Migração

Nesta sexta-feira, o prefeito Eduardo Paes e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciaram o calendário de vacinação para a próxima semana, comunicou o secretário municipal de Saúde. Soranz comentou também a vinda para o Rio de turistas de outros municípios e Estados para se vacinarem na capital fluminense.

Segundo ele, esse movimento já era esperado. “Era esperado que haveria uma migração de pessoas para se vacinar. Essa migração ainda é pequena; não ultrapassou 11% de pessoas de outras cidades e outros estados se vacinando na cidade do Rio de Janeiro, que está com o calendário mais acelerado”. Acrescentou que, posteriormente, se houver uma migração maior, a prefeitura pode pedir compensação de doses para outros estados ou outras cidades, dentro do próprio estado, como faz normalmente em relação a outras vacinas.

O secretário admitiu que está em discussão na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) a possibilidade de imunização em massa da população de outras áreas, como o Complexo da Maré e Manguinhos, na zona norte, a exemplo do que deverá acontecer na Ilha de Paquetá, no próximo domingo. “Está em discussão, na Fiocruz, se as próximas áreas que receberão uma pesquisa de imunização completa da população serão Maré e Manguinhos. Mas isso ainda está em tramitação dentro da Fundação Oswaldo Cruz e, claro, a Fiocruz tem todo apoio da prefeitura do Rio de Janeiro para essa pesquisa, mas ainda não tenho detalhes fechados.”

Por outro lado, admitiu que evento similar pode acontecer em outros pontos da cidade, mas advertiu a necessidade de se avaliar qual vai ser o comportamento da vacina na população de Paquetá, para poder se pensar em ampliação.

Prefeito

Também na quinta-feira, o prefeito Eduardo Paes recebeu a primeira dose da vacina contra a covid-19 na quadra da sua escola de samba de coração, a Portela, em Madureira, zona norte da cidade. Vestindo a camisa da agremiação, Paes fez doação de alimentos para a Campanha Rio contra a fome e, após ser imunizado, ao lado da Tia Surica, matriarca da escola de samba, Paes destacou que o momento é de grande esperança.

– A gente tem passado por esse período tão difícil, tantas pessoas já morreram dessa doença. Para mim, é uma alegria enorme, é um sentimento que todo mundo tem ao tomar essa vacina, de que a gente vai poder viver a vida normal, voltar a abraçar, confraternizar e, claro, no caso do Rio de Janeiro, poder voltar a ter carnaval”. Completou, em seguida, que fez questão de ser vacinado pela AstraZeneca, produzida no Rio pela Fiocruz. Segundo o prefeito carioca, a AstraZeneca é uma “vacina que funciona e não tem problema nenhum”. É muito importante que a gente tenha consciência de que o mais importante neste momento é todo mundo vir se vacinar, não importa qual é a vacina.

Embora afirmando estar otimista com o avanço da vacinação no Rio, uma das cidades que mais imunizaram contra a covid-19 no país, Eduardo Paes voltou a apelar para que os cariocas respeitem as regras sanitárias e se cuidem. “A gente começa a olhar agora uma luz no fim do túnel, a ter uma expectativa de que possa em breve voltar a ter uma vida normal. Tem que usar máscara e tentar manter o distanciamento. Em breve, vamos estar todos nos abraçando”, reforçou. O prefeito tomará a segunda dose no dia 9 de setembro próximo.

Calendário

Nesta sexta-feira, o calendário de vacinação vai contemplar a faixa etária com 50 anos de idade ou mais. Já no sábado, haverá repescagem para cariocas com 50 anos ou mais, pessoas com deficiência a partir de 18 anos e trabalhadores da saúde.

Na próxima quarta-feira, está programada a repescagem para todos os trabalhadores da educação (básica, superior, profissionalizante e demais cursos) que não tenham conseguido comparecer em suas datas específicas do calendário de vacinação. Outra alternativa é acompanhar o cronograma de imunização por idade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code