Rio: Defensoria ajuda vítimas de desabamento a recuperar documentos

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 12 de novembro de 2018 as 12:33, por: CdB

De acordo com o defensor Flávio Lethier, essa é a prioridade da Defensoria que está no local para auxiliar na emissão da segunda via.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

A Defensoria Pública do Rio de Janeiro quer ajudar as vítimas do desabamento do Morro da Boa Esperança, em Niterói, região metropolitana do Rio, a recuperar os documentos perdidos. De acordo com o defensor Flávio Lethier, essa é a prioridade da Defensoria que está no local para auxiliar na emissão da segunda via.

Deslizamento de enconta no Morro da Boa Esperança. Vítimas foram soterradas quando uma rocha se partiu, levando junto casas, árvores e muita lama, na madrugada de sábado

– No momento nós queremos resolver as questões dos desabrigados e da documentação. Já a questão de responsabilização é para um segundo momento – explicou o defensor.

O deslizamento de parte da encosta do morro deixou 22 famílias desabrigadas,

Hospital

Duas vítimas do desabamento ocorrido na madrugada de sábado (10) permanecem internadas. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, um dos homens está no Hospital Estadual Azevedo Lima e outro no Hospital Estadual Alberto Torres. Ambos têm estado de saúde estável.

Enterros

Ao todo, 15 pessoas morreram no deslizamento. Uma das vítimas, o menino Arthur Caetano Carvalho, de 3 anos, chegou a ser resgatado pelos bombeiros e ficou internado no Hospital Estadual Azevedo Lima, mas não resistiu às lesões e morreu na tarde de domingo.

Arthur e sua irmã Nicole Caetano Carvalho, de 10 meses , encontrada já sem vida pelos bombeiros – serão enterrados hoje. Além deles, mais duas pessoas serão sepultadas nesta segunda-feira.

Prefeito de Niterói

O prefeito de Niterói, Rodrigo Neves, disse neste domingo que o deslizamento da rocha em Niterói, que resultou em 15 mortes, foi um evento difícil de ser previsto e isentou a prefeitura de responsabilidades no episódio. Segundo ele, há uma rede de sirenes no município, acionadas em caso de chuvas fortes, mas não foi o caso, pois nem chovia no momento do acidente. A afirmação também foi confirmada pelo presidente do Departamento de Recursos Minerais (DRM), Wilson Giozza, que participou da coletiva de imprensa realizada no domingo.

Segundo o prefeito, 22 famílias receberão, imediatamente, aluguel social, para alugarem um imóvel, até a entrega de unidades, prevista para dezembro, construídas em parceria com a Caixa. O recolhimento de doações está concentrado na Escola Portugal Neves, próximo ao local do acidente. A quadra da escola já está lotada com roupas, comidas, água mineral, artigos de higiene e de limpeza. A coordenação é feita por voluntários e também por funcionários da prefeitura. Psicólogos foram deslocados para o local, a fim de atender às famílias das vítimas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *