Rio destrói 4 mil armas em ato pela paz

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado domingo, 6 de julho de 2003 as 14:38, por: CdB

O Rio de Janeiro, em parceria com o governo federal, promoveu neste domingo um ato pela paz e contra a violência com a destruição de 4 mil armas de fogo.

As armas, apreendidas pela polícia até 1998, foram na maior parte incineradas. Segundo a lei brasileira, a destruição de armamentos só é permitida cinco anos após o recolhimento.

Ao contrário de anos anteriores, desta vez, boa parte das armas foi destruída em uma fogueira montada em frente ao monumento em homenagem aos mortos na Segunda Guerra Mundial, no Aterro do Flamengo, na capital.

O Rio já bateu o recorde mundial, em 2001, ao destruir 100 mil revólveres, pistolas e fuzis no Aterro. Em 2002, outras 10 mil armas foram esmagadas por um trator na porta do Palácio Guanabara.

Segundo o sociólogo do Viva Rio, Antônio Bandeira, o ato de domingo será uma demonstração de que o Rio de Janeiro é contra as armas.

– A proliferação de armas agrava a criminalidade e a letalidade dos crimes – disse Bandeira.

A destruição das armas acontece no momento em que o Congresso Nacional discute a modificação da lei sobre a comercialização e o controle de armamentos no país. A mudança encontra resistência da chamada bancada armada, que defende o interesse da indústria bélica nacional.

– Esse é um lobby muito forte. A bancada está conseguindo paralisar a reforma no Congresso. Contudo, a violência chegou a um nível tão elevado que há uma sensibilidade entre os parlamentares, sabem que é preciso fazer algo. O melhor caminho é restringir a venda de armas no país – declarou o sociólogo.