Rio receberá corrida de Fórmula 1 em 2020, diz Bolsonaro

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Fórmula 1, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 8 de maio de 2019 as 14:14, por: CdB

O GP Brasil de Fórmula 1 foi realizado no Rio de Janeiro nos anos 1980 no antigo autódromo de Jacarepaguá, que foi demolido para dar lugar ao Parque Olímpico para os Jogos de 2016 na cidade.

Por Redação, com Reuters – do Rio de Janeiro

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira que o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 passará a ser realizado no Rio de Janeiro a partir de 2020, após a construção de um novo autódromo em Deodoro, na zona oeste da cidade.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira que o Grande Prêmio do Brasil de Fórmula 1 passará a ser realizado no Rio

– São Paulo, como havia participação pública, uma dívida enorme, tornou-se inviável a permanência da Fórmula 1 lá, então vieram para o Rio de Janeiro, e o autódromo será construído em 6, 7 meses após o início das obras, de modo que por ocasião da Fórmula 1 do ano que vem, ela será realizada no Brasil, e no caso no Rio de Janeiro – disse Bolsonaro a repórteres após participar de uma cerimônia militar na capital fluminense.

– São milhares de empregos. O setor hoteleiro feliz com toda certeza, 7 mil empregos diretos e indiretos que permanecerão para sempre, ou seja, ganha o Rio de Janeiro e ganha o Brasil… sem nenhum dinheiro público – acrescentou.

O GP Brasil de Fórmula 1 foi realizado no Rio de Janeiro nos anos 1980 no antigo autódromo de Jacarepaguá, que foi demolido para dar lugar ao Parque Olímpico para os Jogos de 2016 na cidade. São Paulo é palco da corrida anualmente desde 1990 no autódromo de Interlagos.

Fernando Alonso

Ex-campeão mundial de Fórmula 1, Fernando Alonso ficou feliz de voltar à pista de Indianapolis Motor Speedway, apesar de um teste inicial difícil no mês passado, quando sua McLaren Chevrolet parou depois de um quarto de volta durante seu primeiro treino.

O espanhol, bicampeão de F1 que disputará as 500 Milhas de Indianápolis novamente em 26 de maio, disse que os tropeços são esperados enquanto se adapta ao novo carro e à nova equipe depois de se aposentar da F1 no final da temporada passada.

Apesar de um atraso de quatro horas causado pela chuva e de uma sessão de treino abreviada, ele disse estar feliz de voltar ao Brickyard, onde liderou parte da corrida em 2017 e teve que desistir por causa de uma falha de motor.

– É bom voltar e sentir de novo a magia deste lugar – disse o piloto de 37 anos em uma coletiva de imprensa. “Para nós, obviamente, perdemos um pouco de tempo no início”, acrescentou ao falar do problema eletrônico que encurtou sua primeira volta.

– Isso era mais ou menos esperado, porque é um chassis novo em folha e um carro novo em folha.

– Tudo se encaixou na semana passada, e esperamos correr devagar e passo a passo. Corridas curtas no começo. Foi o que fizemos – disse.

Alonso, que testou o modelo 2019 da McLaren no Barein no começo deste mês, disse que ele está um passo além daquele em que correu no ano passado na F1 e que está feliz por ter a chance de voltar a se sentar em um cockpit.

– Em qualquer tempo de pista que você tiver, pode descobrir problemas no carro, pode descobrir coisas que pode melhorar como piloto, sempre existe um aprendizado, especialmente para nós que temos um carro novo em folha – disse.

– Precisamos verificar muitas coisas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *