Rio utilizará sensores para agilizar ações preventivas em dias de chuva forte

Arquivado em: Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020 as 13:56, por: CdB

O primeiro local escolhido para a instalação do protótipo foi a esquina da Rua do Catete com a Rua Silveira Martins, lugar com histórico de alagamentos.

Por Redação, com ACS – de Rio de Janeiro

A prefeitura do Rio vai implementar uma nova solução para monitorar eventuais alagamentos no município. Para isso, por meio de cooperação, o  Centro de Operações Rio (COR) e a startup Noah estão, desde abril de 2019, realizando testes com um equipamento a fim de identificar alagamentos e gerar alertas. O objetivo é acelerar e agilizar ações imediatas em dias de chuva forte.

O equipamento Noah Flood possui uma rede de sensores para monitoramento de inundações, com a função de medir a altura d'água na superfície durante as chuvas
O equipamento Noah Flood possui uma rede de sensores para monitoramento de inundações, com a função de medir a altura d’água na superfície durante as chuvas

O primeiro local escolhido para a instalação do protótipo foi a esquina da Rua do Catete com a Rua Silveira Martins, lugar com histórico de alagamentos.

Como funciona?

O equipamento, chamado Noah Flood, possui uma rede de sensores para monitoramento de inundações, com a função de medir a altura d’água na superfície durante as chuvas. Dessa forma, é possível avaliar os riscos de alagamento no local. O aparelho é acionado automaticamente quando começa a chover e, em seguida, dispara sinais a cada dois minutos com a finalidade de medir o nível da água.

Da rua para o telão do COR

Os alertas são emitidos de acordo com a situação das ruas, levando em conta aspectos como formação de bolsões d’água, alagamento e enchentes.
Os pontos críticos serão classificados em normal, médio ou alto, com encaminhamento aos agentes responsáveis e para o telão do Controle do COR. O dispositivo também informará sobre o escoamento das águas.

Em breve, mais quatro sensores

O COR já solicitou a instalação de mais quatro sensores  para os próximos meses, que serão posicionados em outros pontos considerados críticos em alagamento e fluxo de trânsito.
A ideia é que, futuramente, a cidade seja monitorada por 1.200 sensores, aos quais  os agentes do COR terão acesso. Por ser um termo de cooperação, a iniciativa não acarretará em ônus algum para a Prefeitura.

Desafio COR

No fim de novembro de 2018, a empresa foi a vencedora do “Primeiro Desafio COR: Smart City, Smart People”, programa de aceleração do COR em parceria com IplanRio e Secretaria Municipal de Fazenda. O desafio  propõe problemas da cidade como desafios a serem solucionados por startups.

Estágio de Normalidade

O Centro de Operações da Prefeitura do Rio informa que o município retornou ao Estágio de Normalidade na madrugada desta Quarta-Feira de Cinzas,  quando também foi iniciada a liberação de vias no entorno do Sambódromo, que à tarde, na Praça da Apoteose, é palco da apuração dos desfiles da Escolas de Samba do Grupo Especial. A cidade estava em Estágio de Mobilização do último sábado. Nesta quarta ainda há previsão de passagem de alguns blocos de carnaval pelas vias do município. Veja os detalhes aqui: http://bit.ly/blocoscarnaval2020.

Previsão do tempo

Nesta manhã, há previsão de chuvisco/chuva fraca isolada em função de elevada umidade no ar. A partir da tarde, há previsão de pancadas de chuva moderada a forte, acompanhadas de raios e rajadas de vento moderadas a fortes.
Liberação de vias
O Centro de Operações da Prefeitura do Rio informa que teve início, de madrugada, a liberação de todas as vias que estavam interditadas no entorno do Sambódromo. Acesse http://bit.ly/sambodromo2020 e leia todos os detalhes do esquema de trânsito para o Carnaval no Sambódromo.

Atendimentos nos desfiles mirins

Na terça-feira, noite de desfiles das Escolas Mirins, até 23h, 45 pessoas foram atendidas nos postos da Secretaria Municipal de Saúde instalados no Sambódromo. Cinco pessoas precisaram  de atendimento hospitalar e foram transferidas para unidades da rede pública.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *