Rio vacina pessoas com 25 anos ou mais contra covid

Arquivado em: Destaque do Dia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 6 de setembro de 2021 as 12:42, por: CdB

 

O município do Rio de Janeiro já iniciou a imunização de pessoas com 16 anos ou mais, mas o calendário para os mais jovens foi suspenso devido à falta de vacinas. Portanto, ainda falta imunizar adolescentes de 12 a 15 anos.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

O município do Rio de Janeiro aplicou nesta segunda-feira a primeira dose da vacina contra a covid-19 em quem tem 25 anos ou mais. A repescagem prevê ainda imunização de gestantes, puérperas, lactantes e pessoas com deficiência com 12 anos ou mais.

Repescagem prevê ainda gestantes, puérperas e lactantes, entre outros

Também está sendo aplicada a segunda dose, conforme calendário previsto. Os postos de saúde e clínicas da família estão abertos até as 17h, assim como a maioria dos pontos de vacinação alternativos. É possível checar os horários no perfil da Secretaria Municipal de Saúde no Twitter.

Nesta terça-feirae, feriado do Dia da Independência, não haverá vacinação no município do Rio de Janeiro.

O calendário

O calendário a partir de quarta-feira ainda não foi divulgado. A retomada da vacinação para adolescentes sem deficiência depende do recebimento de uma nova remessa de vacinas Pfizer.

O município do Rio de Janeiro já iniciou a imunização de pessoas com 16 anos ou mais, mas o calendário para os mais jovens foi suspenso devido à falta de vacinas. Portanto, ainda falta imunizar adolescentes de 12 a 15 anos.

Exigência de comprovante

Após a prefeitura do Rio de Janeiro anunciar, no dia 27 de agosto, que iria exigir a comprovação vacinal contra covid-19 para acessar locais fechados como cinemas, clubes, academias e pontos turísticos, a procura nos postos de saúde aumentou e levou a uma diminuição de 40% no contingente em atraso da segunda dose. A informação foi divulgada durante a apresentação do 35º Boletim Epidemiológico da covid-19 na cidade, na última sexta-feira.

A exigência começaria no dia 1º de setembro, mas devido à instabilidade no aplicativo ConecteSUS, no qual os cidadãos podem gerar o comprovante de vacinação de forma digital, a obrigatoriedade foi adiada para o dia 15 de setembro. De acordo com o superintendente de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Márcio Garcia, a estratégia é um “case de sucesso” para aumentar a proteção coletiva na cidade.

– Desde a publicação dos decretos sobre a exigência da comprovação de vacinação para uma série de procedimentos, benefícios e ingresso em estabelecimentos, nós aumentamos a busca de pessoas que não haviam se vacinado e passaram a procurar as unidades de atenção primária, seja D1 ou D2, e tivemos uma redução de 40% de pessoas com a segunda dose em atraso. É o significado de que a estratégia deu certo e acaba sendo um incentivo para as pessoas que não se vacinaram regularizarem a situação.

Na semana passada, a SMS havia divulgado que 180.277 cariocas não retornaram aos postos na data prevista para completar o esquema vacinal, sendo 50.634 pessoas com a CoronaVac, 122.652 com a Astrazeneca, e 6.991 com a Pfizer em atraso. Até o momento, 96,7% da população a partir de 18 anos na cidade recebeu ao menos a primeira dose e 51,4% estão com o esquema completo, seja com as duas doses ou a dose única da fabricante Jansem.

O secretário Municipal de Saúde, Daniel Soranz, destaca que a procura foi maior que o esperado pela pasta, o que levou ao esgotamento dos estoques da CoronaVac, fabricada pelo Instituto Butantan, em São Paulo.

– Foi muito impressionante a corrida para tomar a primeira dose e a segunda dose de pessoas que estavam com a vacina atrasada. A gente não esperava um resultado tão positivo. Ao longo das próximas duas semanas uma série de ações serão feitas, de treinamento, orientação, fiscalização. Importante destacar que quem tomou a vacina fora do país pode apresentar o certificado internacional e os certificado dos voluntários dos instituto de pesquisa, que tomaram a vacina lá no começo, ainda nos testes, também são válidos.

O certificado da vacinação será exigido de acordo com o calendário de imunização. Para quem tem 60 anos ou mais a obrigatoriedade para as duas doses começa em 15 de setembro. As demais idades seguem o escalonamento, com a comprovação apenas da primeira dose num primeiro momento e a partir de 15 de novembro será exigido o certificado de segunda dose para as idades de 18 a 29 anos.

Quem notar divergências no certificado digital, pode enviar um e-mail para suporteconectesus@rio.com.br, ou procurar a unidade de saúde para fazer a correção.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code