Rodolpho Riskalla é prata no hispismo adestramento

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Esportes Olímpicos, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 26 de agosto de 2021 as 10:46, por: CdB

Montando o cavalo Don Henrico. Riskalla, de 37 anos, se apresentou ao som de Aquarela do Brasil (Ary Barroso) e Halo (Beyoncé). O entrosamento resultou no segundo melhor aproveitamento da competição, garantindo a pontuação de 74,659. 

Por Redação, com ABr – de Tóquio

O paulista Rodolpho Riskalla conquistou na manhã desta quinta-feira medalha de prata no hipismo adestramento na Paralimpíada de Tóquio. na prova do grau IV (categoria que reúne  atletas com comprometimento leve em um ou dois membro, e também aqueles com deficiência visual moderada.). Este é o melhor resultado de brasileiros na história da participação do país na modalidade.

É o melhor resultado do país após 4 bronzes em Londres 2012 e Rio 2016

Montando o cavalo Don Henrico. Riskalla, de 37 anos, se apresentou ao som de Aquarela do Brasil (Ary Barroso) e Halo (Beyoncé). O entrosamento resultou no segundo melhor aproveitamento da competição, garantindo a pontuação de 74,659.

Quem ficou com a medalha de ouro foi a atual campeã mundial europeia Sanne Voets, da Holanda. Ela montou Demantur e totalizou 76.585. Já o belga Manon Claeys levou o bronze montando San Dior 2, finalizando com 72.853.

Com a prata de Riskalla, o Brasil chegou à quinta medalha no adestramento em Paralimpíadas. O país já havia conquistado outros quatro bronzes com os cavaleiros Marcos Fernandes Alves (dois nos Jogos de Pequim 2008) e Sergio Froes Oliva (dois na Rio 2016).

Jovane Guissone

Ouro na Paralimpíada de Londres (2012), o esgrimista gaúcho Jovane Guissone, de 38 anos, conquistou a prata na manhã desta quinta-feira na Tóquio 2020, na disputa da espada individual na categoria B (menor equilíbrio e mobilidade no tronco). O brasileiro foi superado pelo atleta Alexander Kuzykov, do Comitê Paralímpico Russo (ROC, sigla em inglês), por 15 a 8. Natural da cidade de Barros Cassal (RS), Guissone segue como único medalhista do país na esgrima, seja em Olimpíadas ou Paralimpíadas.

Vice-líder no ranking mundial, Guissone chegou à final na Tóquio 2020 após derrotar nesta madrugada o britânico  Bimitri Coutya por 15 a 12.  Antes, o gaúcho já despachara o iraquiano Ammar Ali por 15 a 10 nas quartas de final. Em sete duelos antes da decisão pela medalha de ouro, foram sete duelos, e Guissone perdeu apenas o primeiro – para o ucraniano Oleg Naumenko, e o último para Kuzykov (ROC).

O gaúcho começou a praticar esgrima há 13 anos, após sofrer uma lesão na medula ao ser atingido por disparo de arma de fogo durante um assalto.

Outros resultados

A única estreante na delegação brasileira de esgrima, a paranaense Carminha de Oliveira, de 31 anos, deu adeus à disputa da espada individual feminina da categoria A (atletas com mobilidade no tronco; amputados ou com limitação de movimento), após perder quatro lutas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code