Ruanda envia mil homens a Moçambique para combater insurgência ligada ao EI

Arquivado em: África, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 9 de julho de 2021 as 14:02, por: CdB

Ruanda anunciou nesta sexta-feira que começou a enviar tropas a Moçambique para ajudar a combater uma escalada da insurgência ligada ao grupo extremista Estado Islâmico, que ameaça sua estabilidade. No total, serão enviados mil homens no apoio ao país. 

Por Redação, com Sputnik – de Kigali

Ruanda anunciou nesta sexta-feira que começou a enviar tropas a Moçambique para ajudar a combater uma escalada da insurgência ligada ao grupo extremista Estado Islâmico, que ameaça sua estabilidade. No total, serão enviados mil homens no apoio ao país.

Ruanda envia mil homens para Moçambique para ajudar a combater insurgência ligada ao EI

Um contingente de mil homens será enviado a Moçambique para ajudar o país a combater uma escalada da insurgência ligada ao Estado Islâmico (organização terrorista proibida na Rússia) que ameaça sua estabilidade.

No mês passado, os 16 membros da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC, na sigla em inglês) aprovaram o envio de uma força conjunta para ajudar Moçambique a responder ao conflito jihadista que se concentra no norte da província de Cabo Delgado.

Soldados de Ruanda, que não são membros da SADC, lutariam ao lado das forças de Moçambique e da SADC, segundo o governo ruandês.

“O contingente ruandês apoiará os esforços para restaurar a autoridade do Estado moçambicano através da realização de operações de combate e segurança, bem como de estabilização e reforma do setor de segurança”, diz o comunicado.

Os confrontos

Os confrontos começaram em outubro de 2017 e milhares de civis, soldados e insurgentes foram mortos na violência. O porta-voz das forças de defesa de Ruanda, Ronald Rwivanga, disse à Reuters que a nova força teria sido totalmente destacada no último sábado.

Ele disse que o contingente ruandês é composto por membros da força policial e tropas treinadas “para lidar com o terrorismo e questões relacionadas com a segurança naquela província do norte”.Quase 800 mil pessoas foram deslocadas em Cabo Delgado e os combates interromperam um projeto de gás natural de US$ 20 bilhões (mais de R$ 105 bilhões) liderado pela gigante petrolífera Total.

A decisão da SADC encerrou meses de deliberação dentro do bloco sobre o que era necessário para deter a insurgência que ameaça abrir a primeira frente jihadista da África Austral. A população de Moçambique é maioritariamente cristã, enquanto Cabo Delgado é uma das poucas províncias com maioria muçulmana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code