Santo Sepulcro, em Jerusalém, amanhece fechado em protesto sem precedentes

Arquivado em: África, América do Norte, América Latina, Ásia, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Oriente Médio, Últimas Notícias
Publicado domingo, 25 de fevereiro de 2018 as 16:44, por: CdB

As Igrejas são as principais proprietárias da cidade. Elas dizem que tal lei tornaria mais difícil para elas encontrar compradores para terras da Igreja.

 
Por Redação, com agências internacionais – de Jerusalém

 

Líderes religiosos em Jerusalém fecharam a Igreja do Santo Sepulcro, neste domingo, em protesto contra uma nova política de impostos de Israel; além de uma lei proposta de expropriação de terras, a qual eles chamaram de ataque sem precedentes aos cristãos na Terra Santa.

O Santo Sepulcro, em Jerusalém, é um dos sítios mais sagrados para os cristãos
O Santo Sepulcro, em Jerusalém, é um dos sítios mais sagrados para os cristãos

Líderes Católico Romanos, Grego Ortodoxos e Armênios disseram que o local sagrado, parada popular para peregrinos e onde muitos cristãos acreditam que Jesus foi crucificado e enterrado, continuaria fechado até nova ordem.

Projeto de Lei

Após o protesto, um comitê do gabinete israelense atrasou em uma semana sua avaliação agendada para domingo de um projeto de lei que permitiria ao Estado expropriar terras em Jerusalém vendidas por Igrejas a empresas imobiliárias nos últimos anos.

O objetivo declarado do projeto de lei é proteger proprietários; contra a possibilidade de que empresas privadas não prolonguem seus contratos de arrendamentos de terras.

As Igrejas são as principais proprietárias da cidade. Elas dizem que tal lei tornaria mais difícil para elas encontrar compradores para terras da Igreja — vendas que ajudam a cobrir gastos de operação para suas instituições religiosas.

Igrejas

“Este projeto de lei abominável. Caso aprovado, tornaria possível a expropriação de terras das Igrejas”, disse o comunicado assinado por Theophilos III, Patriarca de Jerusalém; Francesco Patton, Custódio da Terra Santa; e Nourhan Manougian, Patriarca Armênio de Jerusalém.

Rachel Azaria, legisladora que patrocinou a legislação; disse, em comunicado; que concorda em adiar a discussão do comitê em uma semana para que “possamos trabalhar com as Igrejas” para tentar resolver a disputa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *