São Paulo passa de 19 mil mortes por coronavírus 

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, São Paulo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 16 de julho de 2020 as 14:41, por: CdB

Com 398 mortes registradas em 24 horas, o Estado de São Paulo soma agora 19.038 mortes provocadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pela Secretaria de Estado da Saúde.

Por Redação, com ABr – de São Paulo

Com 398 mortes registradas em 24 horas, o Estado de São Paulo soma agora 19.038 mortes provocadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pela Secretaria de Estado da Saúde.

Desde quarta-feira, foram registradas 8.872 pessoas infectadas pelo vírus
Desde quarta-feira, foram registradas 8.872 pessoas infectadas pelo vírus

Os boletins com novos dados são divulgados diariamente, com os novos registros feitos em 24 horas.

Infectadas pelo vírus

Desde quarta-feira, o Estado contabilizou mais 8.872 pessoas infectadas pelo vírus, totalizando agora 402.048 casos confirmados desde o início da pandemia. Do total de diagnosticados, 252.699 pessoas já se recuperaram da doença, sendo que 56.057 delas após internação.

Há 5.982 pessoas internadas em unidades de terapia intensiva (UTI) de todo o Estado por suspeita ou confirmação do novo coronavírus, além de 8.884 internadas em enfermarias. A taxa de ocupação de leitos de UTI reservados para o tratamento de covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, está hoje em torno de 66,5% no estado e de 65% na Grande São Paulo.

Ventiladores pulmonares

Pacientes com o novo coronavírus que estão internados no Instituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas de São Paulo vão passar a utilizar, a partir de quinta-feira, ventiladores pulmonares que foram desenvolvidos pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). Esses ventiladores receberam o nome de Inspire e foram desenvolvidos em apenas quatro meses por uma equipe de 200 pesquisadores, que receberam doações privadas de cerca de R$ 7 milhões.

O Incor vai utilizar dez desses ventiladores. “Estes equipamentos demonstram a capacidade dos pesquisadores, professores e alunos da Universidade de São Paulo que desenvolveram em apenas quatro meses – e a um baixíssimo custo – a produção de respiradores. Ainda em pequena escala, mas que ao longo do tempo e gradualmente ganhará condições mercadológicas”, disse João Doria, governador de São Paulo.

A expectativa é de que esses ventiladores comecem a ser produzidos em larga escala, após receberem autorização e cumprirem algumas exigências da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Uma parceria entre o governo paulista e a Marinha prevê a produção de 10 a 20 equipamentos por dia.

Esses ventiladores foram produzidos com custo reduzido e tecnologia majoritariamente brasileira. No início do processo eles custavam em torno de R$ 1 mil. Mas com a alta do dólar e aumento de requisitos para a sua construção, os pesquisadores acreditam que o custo unitário gire agora entre R$ 5 mil e R$ 10 mil, sem considerar os impostos. Um respirador disponível no mercado custa em média R$ 15 mil.

O equipamento produzido pela USP pode ser usado tanto em casos de média complexidade como nas ocorrências de infecção por coronavírus que exigem terapia intensiva.