São Paulo registra caso de morte por sarampo

Arquivado em: Destaque do Dia, Saúde, Últimas Notícias, Vida & Estilo
Publicado quarta-feira, 28 de agosto de 2019 as 14:06, por: CdB

A cidade de São Paulo registrou, nesta semana, a primeira morte por sarampo neste ano. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde.

Por Redação, com ABr – de São Paulo

A cidade de São Paulo registrou, nesta semana, a primeira morte por sarampo neste ano. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, a vítima é um homem de 42 anos, sem histórico de imunização contra a doença. O óbito por sarampo foi confirmado na ter;ca e divulgado nesta quarta-feira.

Governo estadual e prefeitura mantêm campanha de vacinação até dia 31

De acordo com a secretaria, 2.457 casos de sarampo já foram confirmados em todo o estado neste ano. Deste total, 66,6% se concentram na capital, que registrou 1.637 casos.

Para prevenir a doença, São Paulo continua com a campanha de vacinação contra o sarampo para bebês com idade entre 6 meses e menos de 12 meses. A faixa etária é considerada mais vulnerável a casos graves e óbitos e representa cerca de 13% do total de casos registrados no Estado.

O Programa Estadual de Imunização prevê que crianças e adultos na faixa de 1 ano a 29 anos, devem ter pelo menos duas doses da vacina contra o sarampo.

Acima dessa faixa, até 59 anos, é preciso receber pelo menos uma dose. Não há indicação para pessoas com mais de 60 anos, público que, potencialmente, teve contato com o vírus do sarampo no passado.

Além do sarampo, a vacina tríplice viral protege contra rubéola e caxumba.

Prefeitura

Por causa do grande número de casos de sarampo na capital, a prefeitura prorrogou a campanha de vacinação contra o sarampo até o dia 31 deste mês.

Todas as crianças entre 6 meses e 11 meses e 29 dias e todas as pessoas na faixa entre 15 e 29 anos devem ser vacinadas, independentemente do número de doses tomadas anteriormente.

É importante esclarecer que a chamada “dose zero” não substitui e não será considerada válida para fins do calendário nacional de vacinação da criança. Assim, além dessa dose que está sendo aplicada agora, os pais e responsáveis devem levar os filhos para tomar a vacina tríplice viral (D1) aos 12 meses de idade (1ª dose); e aos 15 meses (2ªdose) para tomar a vacina tetra viral ou a tríplice viral + varicela, respeitando-se o intervalo de 30 dias entre as doses.

A vacinação de rotina das crianças deve ser mantida independentemente de a criança ter tomada a “dose zero” da vacina. A vacina previne também contra rubéola e caxumba. Neste ano, o Ministério.

Rio

Com a volta da circulação do sarampo em vários estados brasileiros, a Secretaria Municipal de Saúde do Rio segue a estratégia temporária do Ministério da Saúde para vacinação de todas as crianças de 6 meses a menores de um ano. A vacina aplicada nesta fase, a “dose zero”, não será considerada válida para fins do calendário nacional de vacinação da criança. Por isso, aos 12 meses, essas crianças devem retornar a uma unidade de Atenção Primária para iniciar o esquema vacinal, respeitando o intervalo de 30 dias entre as doses. O esquema vacinal contra o sarampo para crianças é de uma dose aos 12 meses, com a Tríplice Viral, e outra aos 15 meses de idade, com a Tetraviral.

Adulto que nunca tomou a vacina

Quem não tomou a vacina durante a infância, até os 29 anos, deve receber duas doses da Tríplice Viral. Pessoas de 30 a 49 anos de idade, não vacinadas, com status vacinal desconhecido e não adequadamente vacinadas ou sem histórico de sarampo, devem receber uma dose. Pessoas com 50 anos ou mais, que vão viajar para locais com surto ativo da doença ou que tiverem contato com casos suspeitos/confirmados de sarampo também devem receber uma dose da vacina. Quem já teve a doença não precisa se vacinar.

Onde ir para se vacinar

A vacina contra o sarampo é aplicada gratuitamente nos postos de saúde, nos Centros Municipais de Saúde e nas clínicas de família.

Em caso de sintomas:

Procure a clínica da família ou centro municipal de saúde mais próximo de sua residência e evite circular em locais de aglomeração de pessoas. Para encontrar encontrar a unidade de Atenção Primária mais próxima,

Saiba mais sobre o sarampo

O sarampo é uma doença febril aguda, altamente transmissível, que pode atingir pessoas de qualquer faixa etária. A transmissão é direta de pessoa a pessoa, por meio de secreções expelidas ao tossir, espirrar, falar ou respirar. Os sintomas são febre, manchas avermelhadas pelo corpo, acompanhadas de um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: tosse e/ou coriza e/ou conjuntivite.

A única forma de prevenção da doença é a vacinação, por meio da Tríplice Viral, disponível nas unidades de Atenção Primária (clínicas da família ou centros municipais de saúde), que protege ainda contra caxumba e rubéola. A vacina é contraindicada para gestantes, imunodeprimidos e crianças menores de seis meses.