São Paulo ultrapassa 31 mil mortes por coronavírus

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, São Paulo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 4 de setembro de 2020 as 13:56, por: CdB

Há 4.582 pessoas internadas em unidades de terapia intensiva (UTI) de todo o Estado em casos suspeitos ou confirmados do novo coronavírus, além de 6.112 em enfermarias. A taxa de ocupação de leitos de UTI está em 54% no Estado e em 51,5% na Grande São Paulo.

Por Redação, com ABr – de São Paulo

Com 186 mortes registradas nas últimas 24 horas, o Estado de São Paulo soma agora 31.091 óbitos provocados pelo novo coronavírus.

Estado registrou 186 óbitos nas últimas 24 horas
Estado registrou 186 óbitos nas últimas 24 horas

O Estado tem, desde o início da pandemia, 845.016 casos confirmados de covid-19, sendo 7.038 deles registrados nas últimas 24 horas.

Do total de casos diagnosticados, 671.574 pessoas estão curadas, sendo 93.074 delas após internação.

Há 4.582 pessoas internadas em unidades de terapia intensiva (UTI) de todo o estado em casos suspeitos ou confirmados do novo coronavírus, além de 6.112 em enfermarias. A taxa de ocupação de leitos de UTI está em 54% no Estado e em 51,5% na Grande São Paulo.

Denúncias relativas à pandemia

O Ministério Público do Trabalho (MPT) em São Paulo recebeu 7,9 mil denúncias de janeiro a agosto deste ano. Mais de um terço das denúncias (2,8 mil) diz respeito a problemas relacionados à prevenção da covid-19. O levantamento inclui a capital paulista e 46 municípios da região do Grande ABC e da Baixada Santista.

O comércio varejista, especialmente os supermercados, foi um dos setores que tiveram mais denúncias, assim como o telemarketing e o atendimento à saúde. Também houve um grande volume de denúncias contra o setor público, muitas relacionadas às áreas de saúde e transportes.

Segundo o MPT, as queixas relatam desrespeito das medidas determinadas pelas autoridades sanitárias para enfrentamento da pandemia de coronavírus. A falta de distanciamento entre os trabalhadores, a ausência de testagem e o não fornecimento dos equipamentos de proteção estão entre os pontos das denúncias. Há ainda queixas de demissões em massa e reduções salariais.

Ações

Nos primeiros oito meses deste ano, os procuradores do Trabalho já ajuizaram 213 ações civis públicas, sendo 27 diretamente ligadas a questões envolvendo a covid-19. Foram celebrados também 221 termos de ajustamento de conduta.

Há cerca de duas semanas, a Justiça do Trabalho determinou que a Uber Eats fornecesse aos entregadores álcool em gel, auxílio financeiro em caso de afastamento e pontos de apoio para higienização. A sentença da juíza Josiane Grossi, titular da 73ª Vara do Trabalho de São Paulo, atendeu a um pedido do Ministério Público do Trabalho.

O Uber Eats informou, por nota, que já cumpre a maior parte das medidas que foram determinadas na decisão, como reembolso dos itens de proteção, além de manter um ponto de higienização e auxílio financeiro. Sobre as demais exigências, como a criação de novos locais de apoio e extensão do período do suporte financeiro, a empresa diz que está recorrendo da decisão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code