Se Congresso colaborar, juros vão continuar caindo, diz Mercadante

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado sábado, 22 de novembro de 2003 as 21:29, por: CdB

O líder do governo no Senado, Aloisio Mercadante (PT-SP), deixou a reunião da equipe de ministros do PT com o presidente Luíz Inácio Lula da Silva, na Granja do Torto, em Brasília, afirmando que o Natal deste ano será bem melhor, e apostando num 2004 mais promissor para todos os brasileiros.

Ele lembrou que a taxa real de juros da economia (descontada a inflação) é a menor dos últimos nove anos. Para se calcular o juro real é preciso descontar a previsão de inflação para o próximos 12 meses media pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA ) – índice oficial utilizado pelo governo – da taxa Selic, hoje em 17,5% anuais.

Por essa fórmula, os juros reais estão em 10,9% ao ano no Brasil. Antes da redução da Selic de 19% para 17,5% ao ano, a taxa real estava em 12,3% a.a..

O senador disse que contribuiu para a queda dos juros reais a redução nos últimos seis meses na taxa Selic, promovido pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom). A Selic baliza os juros cobrados em todas as modalidades de crédito disponíveis no mercado e caiu nove pontos percentuais nos últimos seis meses.

Segundo Mercadante, se o Congresso conseguir aprovar as reformas consideradas pelo governo essenciais para o país, os juros continuarão caindo nos próximos meses.

– Se essa agenda que o Congresso tem pela frente, como a reforma do Judiciário, a Lei de Falências, o novo marco regulatório de energia evoluir de forma construtiva, seguramente a taxa de juros continuará caindo – disse Mercadante.

Os investimentos em infra-estrutura, ainda de acordo com Mercadante, também deverão receber atenção especial do governo no próximo ano. “Esse é um dos elementos mais importantes para o crescimento da economia do país”. Sobre a expectativa de crescimento, Mercadante disse que todos os indicadores da economia projetam crescimento econômico consistente e sustentado.