Seca nos campos gaúchos quebra safra de verão do milho

Arquivado em: Comércio, Indústria, Negócios, Serviços, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 30 de outubro de 2020 as 16:47, por: CdB

Alguns produtores gaúchos, que por questões climáticas fazem apenas uma safra de milho por ano, diferentemente de outras partes do país que colhem mais na segunda, já acionaram o seguro rural, nos bancos.

Por Redação, com Reuters – de Porto Alegre

O Estado do Rio Grande de Sul, maior produtor de milho na primeira safra do Brasil, registra perdas irreversíveis nas lavouras do cereal devido à seca, o que adiciona potencial para alta de preços em um mercado que lida com oferta escassa, avaliaram a federação das cooperativas agropecuárias do Estado (Fecoagro) e especialistas.

A primeira safra de milho desse ano, em terras gaúchas, não se desenvolveram conforme o esperado, por conta de uma seca na Região Sul do Brasil

Alguns produtores gaúchos, que por questões climáticas fazem apenas uma safra de milho por ano, diferentemente de outras partes do país que colhem mais na segunda, já acionaram o seguro rural. Outros agricultores do Estado estão ponderando plantar soja em terras nas quais o milho não se desenvolveu.

— É difícil estimar (as perdas), mas acredito que tem produtores no Rio Grande do Sul que já acionaram o seguro, aqueles que já têm danos irreversíveis. E tem produtores não financiados pensando em tirar o milho e plantar soja — disse à agência inglesa de notícias Reuters o presidente da Fecoagro, Paulo Pires.

O produtor rural também fez referência às cotações da oleaginosa, que assim com as do milho, estão em patamares recordes.

— O produtor vai aproveitar os preços da soja, o produtor é muito dinâmico, ele vira a página muito rápido — resumiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *