Secretaria vai apurar tiros de policiais na direção de UPP no Jacarezinho

Arquivado em: Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado segunda-feira, 15 de janeiro de 2018 as 15:00, por: CdB

Policiais civis e militares fizeram ações na comunidade desde a última sexta-feira; para tentar prender suspeitos de matar o delegado civil Fábio Monteiro

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro:

No terceiro dia de operações policiais na comunidade do Jacarezinho, na Zona Norte do Rio de Janeiro, policiais militares (PMs) ficaram assustados com a atuação de um helicóptero da Polícia Civil. PMs reclamaram que policiais civis dispararam tiros nas proximidades de uma das bases da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP).

Secretaria vai apurar tiros de policiais civis na direção de UPP no Jacarezinho

Não há informações sobre se algum tiro que atingiu efetivamente a base da UPP no Jacarezinho. Em nota divulgada pela assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Segurança, o secretário Roberto Sá determinou à Corregedoria-Geral Unificada que instaure procedimento para apurar os fatos.

Policiais civis e militares fizeram ações na comunidade desde a última sexta-feira; para tentar prender suspeitos de matar o delegado civil Fábio Monteiro. Monteiro era delegado da Central de Garantias da Cidade da Polícia, que é vizinha ao Jacarezinho, e foi encontrado morto dentro do porta-malas de um carro na comunidade.

A Justiça do Rio já decretou a prisão de Wendel Luis Silvestre; que é um dos suspeitos de matar o policial. A Delegacia de Homicídios, que investiga o caso, também busca identificar outros envolvidos.

Suspeito de matar delegado

A Justiça do Rio de Janeiro decretou no sábado a prisão do suspeito de matar o delegado Fábio Monteiro na tarde passada, na comunidade do Jacarezinho, Zona Norte da cidade. Segundo o secretário estadual de Segurança, Roberto Sá, o suspeito, Wendel Luis Silvestre, já é considerado foragido.

— Já identificamos esse criminoso, ele vai ser preso, Assim como ele, (serão presos) os outros que atentarem contra a vida de agentes públicos e contra a sociedade. A Divisão de Homicídios está empenhada e já tem informações consistentes e uma linha de investigação segura. Mas não vamos entrar em detalhes — disse Sá.

O secretário Roberto Sá informou que a polícia também está trabalhando para identificar outros envolvidos com o crime.

Fábio Monteiro, que trabalhava como delegado da Central de Garantias, na Cidade da Polícia, saiu para almoçar e não retornou. Seu corpo foi encontrado na própria tarde no porta-malas de um carro. A polícia acredita que ele tenha sido morto por criminosos do Jacarezinho, favela vizinha à Cidade da Polícia.

Mausoléu

Roberto Sá não confirmou se o delegado foi morto por ter sido reconhecido como um policial.

— Alguns latrocínios são praticados contra cidadãos que estão com o bem, e alguém mata para roubar. Ele era um cidadão policial. Então, a investigação ainda vai, após prender o Wendel e outros criminosos, concluir por que motivo ele foi morto. Nesse momento, a gente não descarta nenhuma hipótese mas ainda não afirma se ele faleceu em virtude de ser policial ou não — afirmou.

O corpo de Fábio foi velado na manhã de hoje na Academia de Polícia (Acadepol), onde ele era professor de direito penal, e foi sepultado às 14h no Mausoléu da Polícia Civil, no Cemitério São Francisco Xavier, no Caju.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *