Série A da Itália define protocolo para surtos de covid-19

Arquivado em: Destaque do Dia, Esportes, Futebol, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 6 de janeiro de 2022 as 13:45, por: CdB

De acordo com o protocolo, as equipes com casos positivos de coronavírus deverão entrar em campo se tiverem à disposição pelo menos 13 jogadores nascidos até 31 de dezembro de 2003, dos quais ao menos um precisa ser goleiro.

Por Redação, com ANSA – de Roma

O conselho da Série A da Itália aprovou nesta quinta-feira um protocolo que obriga um time a entrar em campo se tiver pelo menos 13 jogadores adultos – incluindo um goleiro – disponíveis.

Liga da Itália manteve partida entre Bologna e Inter na programação mesmo com o time da casa impedido de jogar

A medida chega em meio aos surtos de covid-19 em diversos clubes da elite do futebol italiano e à resistência da liga em adiar partidas e rodadas.

De acordo com o protocolo, as equipes com casos positivos de coronavírus deverão entrar em campo se tiverem à disposição pelo menos 13 jogadores nascidos até 31 de dezembro de 2003, dos quais ao menos um precisa ser goleiro.

Caso o clube não se apresente, será aplicado W.O. de 3 a 0 para o adversário. No entanto, o protocolo desconsidera que as equipes podem ser impedidas de viajar pelas autoridades sanitárias municipais ou regionais, como aconteceu com Torino e Udinese, proibidos de embarcar para os duelos fora de casa contra Atalanta e Fiorentina, respectivamente.

Programação

Ainda assim, as duas partidas foram mantidas pela Série A em sua programação, bem como o jogo entre Bologna e Inter de Milão, embora a agência sanitária de Bolonha já tivesse proibido a realização do confronto.

O Bologna sequer abriu seu estádio para a torcida, e a transmissão na TV, enquanto mostrava o campo vazio, exibia a mensagem “esperando o time da casa”. Em outro caso semelhante, as autoridades de saúde de Salerno colocaram todo o elenco da Salernitana em quarentena, impedindo, na prática, a partida desta quinta contra o Venezia.

O CEO da Inter de Milão, Giuseppe Marotta, disse que a diferença de protocolos entre as agências sanitárias de cada cidade ou região provoca uma “grande confusão” e “situações anômalas”.

– Faltam diretrizes entre o esporte e o Ministério da Saúde, precisamos decidir um protocolo e limitar as competências das ASLs (sigla para agências sanitárias locais) – declarou o cartola.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code