Servidores públicos iniciam nova greve de 24 horas na França

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado terça-feira, 10 de junho de 2003 as 10:28, por: CdB

Funcionários dos serviços públicos da França iniciaram nesta terça-feira uma nova greve de 24 horas para protestar contra os planos do governo de reforma na previdência.

Professores, funcionários de serviços postais e hospitais e alguns setores da força policial participam da paralisação.

A greve também afeta o funcionamento das linhas de trem que atravessam o país e das companhias aéreas com vôos que têm a França como local de partida ou destino.

Os passageiros foram alertados para a possibilidade de cancelamento ou grandes atrasos nos vôos, e o trânsito em Paris registrava pela manhã congestionamentos maiores do que o normal.

As cidade de Marselha e Toulouse também registraram uma série de problemas no sistema de transportes.

Em Marselha, a situação é agravada pela greve dos funcionários dos serviços de limpeza pública, que já dura uma semana.

No setor de educação, a paralisação desta terça-feira é a 11ª realizada pelos 800 mil professores franceses desde o início do ano escolar.

Apesar dos problemas, as linhas de trens operadas pela empresa Eurostar – que cruzam o Canal da Mancha – não devem ser afetadas pela greve.

A greve desta terça-feira coincide com o início de um debate no Parlamento francês sobre o sistema previdenciário.

O governo argumenta que a França não pode mais suportar os níveis atuais de benefícios concedidos aos contribuintes.

O primeiro-ministro Jean-Pierre Raffarin e o presidente Jacques Chirac afirmam que a reforma é necessária para garantir o financiamento do número crescente de aposentadorias.

A proposta do governo determina que os trabalhadores do setor público trabalhem pelo mesmo número de anos que os empregados do setor privado – portanto, por mais tempo do que hoje – para conseguir a aposentadoria.