Setor da construção está em queda há 20 trimestres

Arquivado em: Negócios, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 27 de agosto de 2019 as 12:42, por: CdB

De acordo com dados do Monitor do PIB (Produto Interno Bruto) da FGV, a expectativa é que a construção tenha encolhido 1,8% no segundo trimestre.

Por Redação, com Brasil 274 e Agências de Notícias – de Brasília

O setor da Construção no país está há 20 trimestres consecutivos registrando perdas que devem continuar no segundo trimestre deste ano, segundo cálculos do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas. É o que aponta matéria publicada nesta terça-feira no diário conservador paulistano O Estado de S.Paulo.

Dados da FGV indicam que a expectativa é que a construção tenha encolhido 1,8% no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior
Dados da FGV indicam que a expectativa é que a construção tenha encolhido 1,8% no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior

De acordo com dados do Monitor do PIB (Produto Interno Bruto) da FGV, a expectativa é que a construção tenha encolhido 1,8% no segundo trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior.

O resultado oficial será divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na próxima quinta-feira.

– Como a construção é uma atividade que emprega muita gente também, isso acaba tendo reflexo no mercado de trabalho – observou a economista Juliana Trece, pesquisadora do Ibre/FGV.

Desde o primeiro trimestre de 2014, a construção já encolheu 31%, retornando ao patamar de dez anos atrás – indica a reportagem. Recentemente, no período entre o primeiro trimestre de 2017 até o primeiro trimestre de 2019, a atividade de construção acumulou uma perda de 6,7%. O setor, que corresponde a praticamente metade dos investimentos na economia, teria de avançar 46,7% para retornar ao nível pré-crise.

A crise econômica atual, com elevado desemprego, é fator inibidor a dificultar a retomada na construção.

– Com a taxa de desemprego muito elevada e com o endividamento crescendo, as famílias não vão se endividar no longo prazo. Ainda mais do jeito que estão fazendo, baixando juros, mas com risco de assumir o peso de uma inflação mais adiante – avaliou Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV, citado pelo jornal.

Ele defende que o caminho mais rápido para tirar a economia brasileira da estagnação em que se encontra é a retomada de obras federais que estão paralisadas.

Inflação da construção civil recua em agosto

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M), calculado pela Fundação Getulio Vargas (FGV), registrou inflação de 0,34% em agosto deste ano, abaixo da taxa de julho, que havia sido de 0,91%. O indicador acumula 3,09% no ano e 4% no período de 12 meses.

A queda da taxa de 0,91% em julho para 0,34% em agosto foi puxada pela mão de obra, cuja inflação recuou de 1,63% em julho para 0,44% em agosto.

Por outro lado, os serviços e os materiais e equipamentos tiveram alta na taxa. A inflação dos serviços cresceu de 0,20% para 0,29%. A taxa dos materiais e equipamentos passou de 0,04% para 0,22%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *