Setor de telecomunicações vê necessidade de reforçar segurança de redes

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 26 de fevereiro de 2019 as 11:50, por: CdB

A GSMA encontra-se envolvida em uma luta política mais ampla à medida que as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China prejudicam a indústria de telecomunicações.

Por Redação, com Reuters – de Barcelona

A indústria de telecomunicação está ciente da necessidade de garantir que redes móveis cada vez mais complexas sejam seguras, disse o chefe de seu principal grupo de lobby à agência inglesa de notícias Reuters, enquanto o debate gira em torno de barrar alguns fornecedores de equipamentos por motivos de segurança nacional.

Setor de telecomunicações vê necessidade de reforçar segurança de redes, independentemente da Huawei

A GSMA, que agrupa 300 operadoras em todo o mundo, recuou ante as chamadas dos EUA a seus aliados europeus para barrar a Huawei devido a preocupações de que a empresa esteja muito próxima do estado chinês e seus equipamentos estejam abertos a espiões cibernéticos.

Em vez disso, propôs um regime de testes mais forte em toda a Europa para garantir que, à medida que as operadoras construam redes 5G de próxima geração, smartphones e bilhões de dispositivos que serão conectados à internet sejam protegidos contra hackers.

– Agora estamos entrando em conectividade inteligente, o que significa que mais coisas serão conectadas – disse Mats Granryd, diretor geral da GSMA que está hospedando o Mobile World Congress, uma grande reunião anual da indústria em Barcelona.

– Se tivermos dúvidas hoje, o risco é que elas aumentem daqui para a frente.

A GSMA encontra-se envolvida em uma luta política mais ampla à medida que as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China prejudicam a indústria de telecomunicações.

Autoridades dos EUA fizeram lobby junto aos seus aliados europeus para banir a Huawei, líder do mercado de redes globais. As operadoras se opõem a isso, com alguns dizendo que o lançamento de serviços 5G pode ser adiado por anos se eles tiverem que extrair e substituir o equipamento chinês em suas redes.

A Huawei nega que já tenha espionado para Pequim, e diz que nenhuma evidência confiável foi apresentada de que seus equipamentos permitem acesso ilícito aos serviços de inteligência do país.

Smartphone se desdobra

Designs flexíveis e dobráveis moldaram o futuro dos smartphones nesta semana, com os fabricantes se concentrando em novas formas, em um esforço para tirar o mercado da uniformidade e revigorar as vendas.

Mas qualquer um que esperasse usar o Mate X da Huawei, um smartphone que possui uma tela que envolve as partes da frente e de trás, logo ficou decepcionado no Mobile World Congress, em Barcelona.

Os aplausos iniciais foram rapidamente seguidos de surpresa quando a empresa chinesa revelou o preço de 2.299 euros do aparelho que possui conectividade 5G.

Isso é ainda mais caro do que o Galaxy Fold, da Samsung, que foi revelado na semana passada e terá preço de US$ 1.980 quando for lançado em alguns mercados em abril. Ele estava em exibição em Barcelona em uma caixa de vidro.

Embora a posição de não utilização dos smartphones na feira espanhola indique que nenhuma empresa possui um dispositivo pronto para o consumo, 2019 será lembrado como o ano do design dobrável, disse Ben Wood, chefe de pesquisa da CCS Insight, acrescentando que o novo formato ainda está engatinhando.

– Mas estamos na idade da pedra de dispositivos com telas flexíveis; é uma fase totalmente nova de experimentação após o mar de uniformidade dos smartphones que vimos na última década.

A Samsung adotou a abordagem oposta à Huawei, colocando a tela dobrável do Galaxy Fold no interior do dispositivo, com outra tela menor no painel frontal para uso quando está fechado.

– Essa foi a solução que acreditamos ser a melhor para a longevidade – disse Mark Notton, diretor de estratégia móvel e comercial da Samsung, à Reuters.

Os fabricantes de smartphones vêm tentando inovar para convencer os consumidores a comprarem novos aparelhos, num esforço de reversão de queda de vendas em um momento em que os produtos atuais já atendem a maior parte das necessidades dos usuários.

E, embora mais fornecedores vão conseguir em breve produzir suas próprias telas dobráveis, 2019 não será o ano em que novos aparelhos com essa capacidade serão lançados, disseram analistas de mercado da Canalys. Eles continuarão sendo exclusivamente aparelhos de ultra luxo, com menos de 2 milhões de unidades previstas para serem entregues em todo o mundo neste ano, acrescentou a Canalys.

O mercado de telefones celulares caiu 1,2 %  em 2018, disse a empresa de pesquisa Gartner, embora espere um crescimento de 1,6 %  em 2019, impulsionado por ciclos de substituição na China, Estados Unidos e Europa Ocidental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *