Seul trabalhará com EUA e Coreia do Norte após fracasso de cúpula

Arquivado em: América do Norte, Ásia, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 1 de março de 2019 as 10:23, por: CdB

A segunda cúpula entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, no Vietnã foi abreviada porque os dois não conseguiram chegar a um acordo.

Por Redação, com Reuters – de Seul

A Coreia do Sul trabalhará com os Estados Unidos e a Coreia do Norte para que cheguem a um acordo sobre a desnuclearização, disse o presidente sul-coreano nesta sexta-feira, um dia depois de conversas entre os líderes norte-americano e norte-coreano fracassarem por conta das sanções.

Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, durante cerimônia em Seul

A segunda cúpula entre o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong Un, no Vietnã foi abreviada porque os dois não conseguiram chegar a um acordo quanto à amplitude de um alívio das sanções que Pyongyang obteria em troca de adotar medidas para abdicar de seu programa nuclear.

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, tem sido um apoiador ativo dos esforços para encerrar os confrontos na península coreana. Ele se encontrou com Kim três vezes no ano passado e tem tentado facilitar suas negociações nucleares com Washington.

– Minha administração se comunicará e cooperará estreitamente com os Estados Unidos e a Coreia do Norte de forma a ajudar suas conversas a chegaram a um acordo completo através de todos os meios – disse Moon em um discurso em Seul, a capital sul-coreana.

Moon também disse que seu país consultará os EUA sobre maneiras de retomar projetos conjuntos com seu vizinho do norte, incluindo o desenvolvimento do turismo no Monte Kumgang e no complexo industrial de Kaesong, ambos na Coreia do Norte.

A cúpula de Hanói aconteceu oito meses depois de Trump e Kim se encontrarem pela primeira vez em Cingapura e concordarem em estabelecer novas relações e uma paz em troca do compromisso norte-coreano de trabalhar para a desnuclearização total da península coreana.

Trump disse que os dois dias de conversas renderam avanços, mas que é importante não fechar um acordo ruim às pressas e que desistiu por causa de exigências inaceitáveis da Coreia do Norte.

– Foi tudo por causa das sanções – disse Trump em uma coletiva de imprensa depois que as conversas foram encurtadas. “Basicamente, eles queriam que as sanções fossem suspensas em sua totalidade, e não poderíamos fazer isso.”

Mas o ministro das Relações Exteriores norte-coreano, Ri Yong Ho, disse em uma coletiva de imprensa à meia-noite, realizada depois de Trump partir de Hanói, que sua nação só pediu a suspensão parcial das sanções “relacionadas ao sustento das pessoas e sem relação com sanções militares”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *