Siamesas morrem durante cirurgia

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado terça-feira, 8 de julho de 2003 as 09:55, por: CdB

As duas irmãs gêmeas iranianas siamesas que enfrentavam uma operação para separação, em Cingapura, morreram nesta terça-feira, segundo fontes do hospital onde o procedimento era realizado.

Ladan e Laleh Bijani morreram por causa de complicações no processo de separação de seus cérebros.

Durante a operação, os médicos haviam descoberto que os cérebros das siamesas se tornaram estreitamente fundidos com o passar dos 29 anos de idade.

Uma equipe de 28 médicos e cem assistentes esteve envolvida em toda a operação.

Riscos

As siamesas, que ficaram conhecidas mundialmente, tinham seus crânios e parte dos cérebros ligados.

De acordo com os médicos, os cérebros estavam muito conectados – mais do que o esperado inicialmente – e, para separá-los, eles tiveram que cortas muitos tecidos e vazos sangüíneos.

Uma das principais complicações da operação se deveu ao fato de que as gêmeas compartilhavam seu sangue.

Antes da operação, as irmãs haviam sido informadas que tinham 50% de chances de sobreviver e concordaram com o risco.

A cirurgia foi a primeira tentativa de separar adultos siameses unidos pelo crânio.

Médicos alemães recusaram a operação em 1996, dizendo que os riscos eram muito grandes.

Keith Goh, chefe dos cirurgiões, disse que pensou na qualidade de vida das duas quando assumiu o risco de fazer o trabalho.