Silêncio ensurdecedor

Arquivado em: Opinião, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 5 de novembro de 2019 as 09:27, por: CdB

Nestes textos que escrevo sempre evito tratar de política (principalmente política partidária) não porque considere o assunto irrelevante, mas para manter disciplinadamente o foco nas atividades sindicais.

Por João Guilherme Vargas Netto – de São Paulo

Vou abrir uma exceção, justificada e criticar veementemente a mal intencionada declaração do deputado Eduardo Bolsonaro sobre o AI-5, que mereceu a repulsa de quase todas as forças políticas e da esmagadora maioria das personalidades relevantes. Ditadura, nunca mais!

 Ditadura, nunca mais
Ditadura, nunca mais

A nota pública das centrais sindicais (assinada em 31 de outubro por nove presidentes delas) disse tudo o que eu poderia querer dizer e posiciona o movimento sindical dos trabalhadores como um dos componentes da frente democrática, sem abandonar as preocupações relevantes sobre a retomada do desenvolvimento e o emprego.

Mas, devido à gravidade da agressão e à expectativa de uma repulsa unânime não posso deixar de assinalar alguns silêncios inadmissíveis e preocupantes.

Constituição

Dos personagens atuais do governo (em seus poderes Judiciário e Executivo) ressalto o silêncio do presidente do STF, por definição o guardião-mor da Constituição, do procurador geral, incumbido de zelar pelo bem público e do ministro da Justiça, calado comprometedoramente quando lhe convém.

Destaco também o silêncio do general Villas Boas, sempre disposto a emitir opiniões influentes nas redes sociais e silencioso agora quando deveria se fazer ouvir.

Mas o que me preocupa sobremaneira é o silêncio envergonhado das lideranças empresariais e das instituições que representam as “classes produtoras” que, atoladas pela avalanche de más notícias e iludidas oportunisticamente sobre os rumos que a Economia tomará, não se associaram, com seu silêncio, à onda democrática que se formou contra os arreganhos autoritários do bolsonarismo. Desenvolvimento sem democracia?

João Guilherme Vargas Netto, é consultor sindical de diversas entidades de trabalhadores em São Paulo.

 

As opiniões aqui expostas não representam necessariamente a opinião do Correio do Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *