Sindicatos alertam Macron que protestos contra Previdência vão durar meses

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 24 de janeiro de 2020 as 12:21, por: CdB

Os sindicatos da França ameaçaram nesta sexta-feira ações industriais nos próximos meses, enquanto buscam uma maneira de forçar o presidente Emmanuel Macron a abandonar a maior reforma.

Por Redação, com Reuters – de Paris

Os sindicatos da França ameaçaram nesta sexta-feira ações industriais nos próximos meses, enquanto buscam uma maneira de forçar o presidente Emmanuel Macron a abandonar a maior reforma do sistema previdenciário do país desde a Segunda Guerra Mundial.

Protesto contra a reforma da Previdência em Paris
Protesto contra a reforma da Previdência em Paris

Os sindicatos estão em uma batalha contra Macron desde o início de dezembro em decorrência da proposta do governo de rever os generosos benefícios previdenciários. O ex-banqueiro de investimentos fez algumas concessões aos sindicatos, mas se recusa a abandonar a reforma.

Nesta sexta-feira, os sindicatos levaram milhares de manifestantes às ruas para uma sétima rodada de manifestações em todo o país, mas suas ações em larga escala têm perdido força e eles estão cada vez mais recorrendo a atos de força para causar interrupções.

– Nossa determinação permanece intacta – disse Yves Veyrier, chefe do sindicato Force Ouvriere, a repórteres, antes de uma marcha nas ruas de Paris. “Temos semanas, meses de protestos pela frente.”

Pensão diferentes

Macron quer otimizar a configuração existente de 42 planos de pensão diferentes, cada um com seus próprios níveis de contribuições e benefícios, em um único sistema que ofereça a cada aposentado os mesmos direitos para cada euro contribuído.

Os diversos benefícios especiais impedem a mobilidade no emprego, diz Macron, para quem a reforma é central em seu esforço para criar um mercado de trabalho mais flexível.

Os opositores da reforma afirmam que ela exigirá que as pessoas trabalhem mais por uma pensão completa.