Sindicatos e pequenas empresas marcham contra o programa de austeridade de Macri

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 4 de abril de 2019 as 13:52, por: CdB

Milhares de manifestantes, observados pela polícia, percorreram vias próximas ao centro da capital argentina carregando cartazes coloridos com slogans pedindo “trabalho decente”, “melhores salários” e “aumento da produção nacional”.

Por Redação, com Reuters – de Buenos Aires

Sindicatos argentinos, pequenas empresas e ativistas foram às ruas na região central de Buenos Aires nesta quinta-feira para protestar contra medidas de austeridade do presidente da República, Maurício Macri, que eles culpam por amplificar as dificuldades para os trabalhadores e minar o crescimento econômico.

Sindicatos argentinos e pequenas empresas marcham contra o programa de austeridade de Macri

Milhares de manifestantes, observados pela polícia, percorreram vias próximas ao centro da capital argentina carregando cartazes coloridos com slogans pedindo “trabalho decente”, “melhores salários” e “aumento da produção nacional”.

Os líderes da Argentina têm endurecido a política econômica para cumprir as obrigações sob um acordo de US$ 56,3 bilhões alcançado pelo país em recessão com o Fundo Monetário Internacional (FMI) no ano passado. A inflação acentuada também atingiu fortemente o poder de compra individual.

Nesta quinta-feira, várias ruas do centro de Buenos Aires foram cercadas e houve forte presença policial em algumas esquinas. As manifestações aumentaram nos últimos meses.

As passeatas regulares aumentaram a pressão sobre o partido no poder, cujo índice de aprovação caiu neste ano, uma preocupação para Macri antes das eleições nacionais em outubro.

Apesar de alguns sinais de recuperação e uma esperada forte safra de grãos, a economia argentina tem sido pressionada pelas altas taxas de juros, por um peso fraco e pela inflação a uma taxa anual de mais de 50 por cento.

Os críticos de Macri culpam seu programa de austeridade apoiado pelo FMI, destinado a reduzir a dívida pública. O governo de Macri e o FMI afirmam que as medidas são necessárias para reequilibrar a economia.

Cidadãos argentinos estão sentindo o impacto da crise, com contas de energia mais altas e baixa demanda doméstica atingindo empresas locais. Cerca de um terço do país vive agora abaixo da linha da pobreza, ao passo que a falta de moradia está aumentando.

Juntamente com as manifestações de rua, grupos da oposição peronista no Congresso planejam discutir uma série de projetos de lei para elevar as aposentadorias e controlar os aumentos de preços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *