Sobe número de mortos em queda de ponte na Itália

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 18 de agosto de 2018 as 11:45, por: CdB

Bombeiros encontram carro com três corpos entre blocos de concreto. Itália tem dia de luto nacional, com funeral de Estado para vítimas. Algumas famílias recusam ato público, indignadas com as autoridades pela tragédia

Por Redação, com DW – de Roma/Gênova

Subiu neste sábado para 41 o número de vítimas do desmoronamento de uma ponte na cidade de Gênova, no noroeste da Itália, depois que as equipes de bombeiros encontraram entre os blocos de concreto um veículo com outras três pessoas: um casal e sua filha, de 9 anos.

Arcebispo de Gênova, cardeal Angelo Bagnasco, em cerimônia fúnebre para mortos em desabamento de viaduto

Os veículos de imprensa explicam que os corpos precisam ser identificados, mas acredita-se que possam ser da família Cecala, da qual não há mais notícias desde a última terça-feira, quando parte da ponte Morandi desabou.

Entre os mortos já identificados, três são crianças, entre 8 e 13 anos, e restam ainda dois desaparecidos, segundo os dados da Proteção Civil.

O carro foi localizado completamente esmagado por um bloco de concreto que fazia parte de um pilar que desmoronou na margem esquerda do rio Polcevera.

Ao menos 30 carros e três veículos pesados caíram de uma altura de 45 metros quando o trecho da ponte desabou numa zona industrial de Gênova, em meio a fortes chuvas.

A Itália cumpre neste sábado um dia de luto nacional, quando foi agendado o funeral de Estado de todas as vítimas, presidido pelo cardeal e arcebispo de Gênova, Angelo Bagnasco, e com a presença do presidente da Itália, Sergio Mattarella, e do primeiro-ministro do país, Giuseppe Conte.

A cerimônia fúnebre é envolta em polêmica, já que famílias de 17 vítimas decidiram não participar, preferindo um ato de sepultamento privado. Segundo a mídia local, elas se recusam a participar do evento oficial por indignação com supostas falhas das autoridades que teriam levado à tragédia.

No local do acidente, as equipes de resgate continuam à procura de vítimas nos escombros.

Na quinta-feira, o procurador de Gênova, Francesco Cozzi, admitiu que podem existir 10 a 20 pessoas ainda soterradas nos escombros. O governo da Itália afirmou ser “inevitável” que o número de mortos aumente, à medida que os trabalhos de resgate prosseguem.

Entre os 15 feridos contabilizados, 10 ainda permaneciam hospitalizados na sexta-feira, dos quais seis em estado grave.

O executivo italiano exigiu a demissão da direção da empresa Autostrade per l’Italia, filial da Atlantia e responsável pela gestão da ponte Morandi, e também atribuiu parte da responsabilidade da tragédia às restrições orçamentais impostas pela União Europeia (UE).

O Ministro dos Transportes da Itália, Danilo Toninelli, prevê uma multa de até 150 milhões de euros para a Autostrade per l’Italia, que opera quase metade das rodovias italianas.

Também é possível que o governo revogue todas as outras concessões de rodovias da companhia, acusada de falhar em realizar obras de manutenção necessárias na ponte, disse um porta-voz do ministério.

A Autostrade per l’Italia rebateu acusações de que seus trabalhos de manutenção tenham sido insuficientes, argumentando que investiu mais de um bilhão de euros anuais em “segurança, manutenção e em fortalecer a rede” desde 2012.

A companhia também contestou o governo por ameaçar revogar contratos “sem nenhuma verificação das causas materiais do acidente”. A concessionária alertou que, neste caso, o governo teria que reembolsar ao grupo o valor do contrato, que se estende ao menos até 2038.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *