Sobe número de presos em operação militar no Rio

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 24 de agosto de 2018 as 14:12, por: CdB

O Comando Conjunto da Intervenção no Rio divulgou também que houve “reajustes e reposicionamentos de efetivos e de instalações logísticas de apoio”

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

Chegou a 86 o número de presos na megaoperação militar nos complexos da Penha, Alemão e Maré. Três militares e cinco suspeitos morreram na operação que começou segunda-feira e não tem prazo para terminar.

Número de presos em megaoperação militar no Rio chega a 86

O número inclui os quatro presos que deixaram a cadeia de Benfica, ontem à tarde. Também foram apreendidos 15 fuzis, 27 pistolas, 11 granadas, 4.742 munições, 85 carregadores, aproximadamente 1,5 tonelada de drogas diversas, 8 veículos, 27 cadernos de anotações do tráfico, 8 celulares, 8 uniformes camuflados, 3 coletes a prova de bala, 13 radiocomunicadores. Cinco reféns foram libertados, 17.552 pessoas revistadas e 41 barricadas retiradas.

O Comando Conjunto da Intervenção no Rio divulgou também que houve “reajustes e reposicionamentos de efetivos e de instalações logísticas de apoio”. Sem especificar, no entanto, se isto significa uma diminuição ou aumento do efetivo militar na região. Também foram apreendidos dois menores.

Delegacia contra crimes raciais e intolerância

Decreto publicado nesta sexta-feira no Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro e assinado pelo general Walter Braga Netto, interventor federal no sistema de segurança, cria a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) na estrutura da Polícia Civil. A Lei 5.931/11 é de autoria do deputado Átila Nunes.

A nova unidade terá a finalidade principal de investigar ocorrências nos casos de crimes de preconceito racial e de intolerância, assegurando todos os direitos aos cidadãos.

A criação da Decradi considerou “as políticas públicas efetivadas pela União e pelo estado do Rio de Janeiro para o enfrentamento de casos de racismo, xenofobia, intolerância religiosa e demais formas de discriminação”, diz o decreto.

A Decradi será implantada sem aumento de despesas, principalmente em termos de despesas com pessoal. A unidade ficará subordinada ao Departamento Geral de Polícia Especializada e será inserida no programa Delegacia Legal.

O decreto estabelece que as normas para a organização e operacionalização da Decradi serão definidas pela Secretaria de Segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *