Socialista Pedro Sánchez assume a chefia do governo espanhol

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 2 de junho de 2018 as 16:38, por: CdB

Um dos principais desafios do socialista Pedro Sánchez será tentar encontrar uma saída para a crise na rica região da Catalunha; onde um novo governo nacionalista foi empossado neste sábado.

 

Por Redação, com Reuters – de Madrid

O socialista Pedro Sánchez tomou posse no sábado como sétimo chefe de governo da Espanha; desde seu retorno à democracia no final dos anos 1970. Ele substitui o veterano conservador Mariano Rajoy, que foi destituído na sexta-feira por causa de um escândalo de corrupção.

O socialista Pedro Sánchez dispensou a bíblia e o crucifixo no ato de posse
O socialista Pedro Sánchez dispensou a Bíblia e o crucifixo, no ato de posse

Um dos principais desafios de Sánchez será tentar encontrar uma saída para a crise na rica região da Catalunha, onde um novo governo nacionalista foi empossado neste sábado.

Sánchez foi empossado como primeiro-ministro espanhol diante do rei Felipe com a mão direita sobre a constituição – a primeira vez que isso não foi feito com a Bíblia ou um crucifixo.

Mandato parlamentar

Sánchez tornou-se primeiro-ministro, com apenas 84 assentos para seu Partido Socialista na assembleia de 350 membros; graças ao apoio do partido de esquerda Podemos e de partidos nacionalistas menores.

Ele disse que pretende conduzir o país até meados de 2020; quando o mandato parlamentar terminar.

Mas sua maioria – a menor de um governo espanhol desde o retorno à democracia após a morte de Francisco Franco, em 1975; não deixa claro quanto tempo seu governo pode durar.

Catalunha

Ainda neste sábado, nacionalistas recuperaram o controle do governo da Catalunha. Imediatamente, comprometeram-se a buscar a independência da rica região. Este é mais um desafio ao novo primeiro-ministro espanhol.

O novo gabinete catalão foi empossado após meses de tensão com o governo central, encerrando o mandato direto de sete meses de Madri na região, imposto pelo predecessor de Sánchez após os separatistas terem declarado independência.

Independência

Sánchez é um socialista que afirmou querer conversar com a Catalunha; mas que se opõe a qualquer referendo sobre a independência.

A inesperada coincidência da tomada do poder pelos governos central e regional por minutos de diferença pode abrir um novo capítulo; após meses dramáticos que viram políticos catalães presos ou fugirem para o exterior para evitar a prisão.

Ambos os lados disseram querer negociar. Porém, os dois têm alvos muito diferentes: os socialistas de Sánchez apoiaram a política de Rajoy; opondo-se à independência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *