Sociedade brasileira espera por um novo retrocesso na área trabalhista

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 3 de fevereiro de 2021 as 17:30, por: CdB

De acordo com o coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) Alexandre Conceição, o acordo fisiológico do governo com o ‘Centrão’ também visa a garantir blindagem ao governo contra os crimes cometidos durante a pandemia.

Por Redação – de Brasília

O presidente Jair Bolsonaro comemorou as vitórias de Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG) para os comandos da Câmara e do Senado. A expectativa do empresariado é que o alinhamento desses poderes possibilite mais uma rodada de retirada de direitos trabalhistas no Congresso. Uma das medidas que deve voltar à discussão é a nova e famigerada “carteira verde e amarela“, uma forma de contrato precário que beneficia com isenções fiscais os empregadores.

O desespero por uma vaga de trabalho fica mais visível entre os brasileiros mais pobres
O desespero por uma vaga de trabalho fica mais visível entre os brasileiros mais pobres

— Outras violações dos direitos dos trabalhadores vão vir. E têm chance de serem aprovadas. São vários projetos, como a ampliação do trabalho intermitente, essa carteira verde e amarela do Guedes, que é um horror. Um abuso contra a classe trabalhadora — afirmou a cientista política Roseli Coelho à agência brasileira de notícias Rede Brasil Atual (RBA).

 Roseli afirmou, além disso, que Bolsonaro cogitou governar sem o Parlamento. Mas o apoio a Lira e Pacheco, com a liberação de cargos e R$ 3 bilhões em emendas, demonstram uma guinada.

— Viu que era impossível, porque o Parlamento, de modo geral, é o universo nele mesmo. São interesses específicos — afirmou.

Democracia

Da mesma forma, o deputado federal Alencar Santana (PT-SP) disse que o governo jogou “pesadíssimo” para fazer os seus candidatos.

— Isso demonstra o interesse direto do presidente Bolsonaro nessa eleição, com interesses específicos de proteger ele, sua família e seus aliados milicianos. Isso interferiu sim no voto e no resultado final — pontuou.

De acordo com o coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) Alexandre Conceição, o acordo fisiológico do governo com o ‘Centrão’ também visa a garantir blindagem ao governo contra os crimes cometidos durante a pandemia.

— O povo brasileiro sai perdendo, a democracia sai perdendo. E cabe a nós, os movimentos sociais, fazer aquilo que estamos fazendo: alertar o povo e convocar para mobilizações — concluiu.