Sociedade civil demorou demais para conter risco de novo golpe, alerta cientista político

Arquivado em: Política, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 5 de agosto de 2021 as 15:54, por: CdB

Bolsonaro reagiu à decisão de Moraes, dizendo se tratar de uma decisão ilegal. Diante disso, ameaçou com soluções “fora das quatro linhas da Constituição”. Para Couto, trata-se de uma evidente ameaça de ruptura institucional.

Por Redação – de São Paulo

De acordo com o cientista político e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Cláudio Couto, as instituições esperaram muito tempo para “colocar freios” no presidente Jair Bolsonaro. Nesse sentido, ele classifica como “óbvia” a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF, de incluir Bolsonaro como investigado no inquérito que apura a divulgação de informações falsas, as fake news. Essa determinação atendeu a pedido unânime dos juízes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em função dos ataques do presidente ao sistema de voto eletrônico.

STF
O STF perdeu muito tempo liberando notas de protesto contra o presidente Bolsonaro

— Desse ponto de vista, Moraes fez o óbvio. Se o chefe da gangue é o Bolsonaro, precisa ser enquadrado nesse inquérito de investigação — afirmou Couto à agência brasileira de notícias Rede Brasil Atual (RBA), nesta quinta-feira.

Violência

Bolsonaro reagiu à decisão de Moraes, dizendo se tratar de uma decisão ilegal. Diante disso, ameaçou com soluções “fora das quatro linhas da Constituição”. Para Couto, trata-se de uma evidente ameaça de ruptura institucional. O agravante é que Bolsonaro conta com apoio de milicianos, bem como da “banda podre” das polícias militares e das Forças Armadas.

— Temos tempos muito preocupantes pela frente. Precisamos ficar alertas. Diria mais: é preciso que o mundo olhe para o Brasil nesse momento. Corremos risco, não necessariamente de ruptura da democracia, mas de violência política muito grande. Isso é o estilo do bolsonarismo — disse Couto.

Conspiração

Bolsonaro também vem investindo contra o ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O presidente vem disseminando a tese de que os mesmos juízes que soltaram Lula estariam dispostos a fraudar o sistema eleitoral para elegê-lo nas eleições do ano que vem.

Couto lembra, contudo, que Barroso votou contra a inconstitucionalidade da prisão após condenação em segunda instância. Com íntimos laços com a Lava Jato, Barroso também foi contrário à suspeição do então juiz Sergio Moro. Portanto, não passaria de mais uma mentira de Bolsonaro a tese de que o magistrado atuaria para favorecer o petista.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code