SP: polícia procura autor de disparos feitos em bloco de carnaval

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, São Paulo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020 as 11:33, por: CdB

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo informou nesta quarta-feira que o autor dos disparos que atingiram duas pessoas no Bloco da Latinha Mix, ainda não foi identificado.

Por Redação, com ABr – de São Paulo

A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo informou nesta quarta-feira que o autor dos disparos que atingiram duas pessoas no Bloco da Latinha Mix, organizado pela Rádio Mix FM, ainda não foi identificado. O caso aconteceu na tarde de terça e foi registrado em vídeo pelo DJ Diplo, quando estava no palco.

O caso aconteceu na tarde de terça-feira e foi registrado em vídeo pelo DJ Diplo, quando estava no palco
O caso aconteceu na tarde de terça-feira e foi registrado em vídeo pelo DJ Diplo, quando estava no palco

De acordo com a secretaria, as vítimas são uma adolescente, de 17 anos, e um jovem, de 20 anos. No momento em que os tiros foram disparados, o público fazia a concentração, para seguir adiante, na rua Henrique Schaumann, no bairro Pinheiros, zona oeste da capital.

A pasta relatou, em nota, que, policiais militares identificaram um tumulto generalizado no meio do bloco e que, logo depois, foram avisados por foliões que duas pessoas haviam sido atingidas por arma de fogo.

Vítimas

As duas pessoas feridas foram socorridas pela equipe médica que atendia no local e foram encaminhadas ao Hospital Municipal Doutor Arthur Ribeiro de Saboya e ao Hospital das Clínicas.

No comunicado enviado à reportagem, a secretaria acrescenta que exames periciais foram solicitados ao Instituto Médico Legal (IML) e ao Instituto de Criminalística (IC). O caso foi registrado como tentativa de homicídio, no 14º Distrito Policial (Pinheiros).

À Agência Brasil solicitou à Secretaria de Saúde informações sobre o estado de saúde das vítimas e aguarda retorno.

Prisões

As polícias civil e militar do Estado de São Paulo prenderam 1.324 pessoas desde a madrugada da última sexta até terça-feira, na Operação Carnaval Mais Seguro. Segundo o balanço divulgado nesta quarta pelo governo, 148,5 mil pessoas foram abordadas nesse período.

Foram apreendidos 142 celulares, sendo 75 devolvidos aos proprietários. Também foram recuperados 270 veículos e apreendida 1,1 tonelada de drogas, além de 93 armas de fogo ilegais.

Na região do Brás, na capital paulista, na segunda-feira, foram presos três homens flagrados ao tentar se livrar de R$ 1.800 e uma bolsa com 52 celulares roubados ou furtados.

Flagrante

Dois aparelhos foram devolvidos às vítimas e o restante apreendido para perícia. Os suspeitos foram autuados em flagrante por receptação e associação criminosa. A ocorrência foi registrada no 78° Distrito Policial (Jardins).

Durante o carnaval,  foram realizadas 100,3 mil fiscalizações em veículos, com os condutores sendo submetidos ao teste do etilômetro.

Ao todo, 4.096 foram autuados, sendo 1.120 por dirigir sob influência álcool ou substâncias psicoativas, 2.919 por se recusarem a realizar o teste e 57 flagrantes por condução de veículo com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou de outra substância psicoativa que determine dependência.

Ceará

Pelo menos 170 pessoas foram assassinadas em apenas uma semana, no Ceará. Dados divulgados na terça-feira, pela secretaria estadual da Segurança Pública e Defesa Social, revelam que o número de homicídios dolosos (quando o assassino age com a intenção de matar), feminicídios e latrocínios (furto seguido de morte) deu um salto depois que parte dos policiais militares cearenses deflagaram um motim que entra hoje em seu oitavo dia. A categoria, incluindo policiais que continuam trabalhando normalmente, rejeita a proposta de reajuste salarial apresentada pelo governo estadual e cobra melhores condições de trabalho.

Só na segunda-feira, foram registrados 23 Crimes Violentos Letais Intencionais no estado. Número quase sete vezes maior que os três assassinatos registrados no último dia 17 anterior, véspera do início do motim que já produziu cenas de PMs ocupando unidades militares, homens mascarados esvaziando pneus de viaturas e determinando que comerciantes fechassem estabelecimentos comerciais. Em Sobral, o senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE) foi baleado na última quarta-feira, ao usar uma retroescavadeira para tentar desocupar um batalhão da PM tomado por policiais.

A secretaria vem divulgando o número de crimes registrados dia após dia, ao longo da última semana, para demonstrar o impacto do motim policial. No dia 18, dia em que teve início os protestos militares, foram registrados cinco assassinatos, dois a mais que na véspera. Já no dia 19, o número de ocorrências saltou para 29. Na semana passada foram 22 registros. Na última sexta-feira, houve o maior número de vítimas até o momento: 37. A partir daí, os ocorrências diárias passaram a cair: no sábado foram 34; no domingo, 25, e, segunda, 23 casos.

Legalmente, policiais militares são proibidos de fazer greve, motivo pelo qual os protestos da categoria são classificados como motim. Na última sexta-feira, o governo cearense afastou por 120 dias 167 policiais militares que participam da paralisação. Os agentes deverão entregar identificações funcionais, distintivos, armas, algemas, além de quaisquer outros itens que os caracterizem nas suas unidades e ficarão fora da folha de pagamento a partir deste mês de fevereiro.

Os inquéritos militares instaurados contra os agentes afastados serão julgados pela Justiça Militar. Já os procedimentos administrativos disciplinares serão realizados pela Controladoria-Geral de Disciplina (CGD) da própria Polícia Militar.

A pedido do governo cearense, mais de uma centena de policiais da Força Nacional desembarcaram em Fortaleza na última quinta-feira para reforçar a segurança. No mesmo dia, o presidente Jair Bolsonaro autorizou o emprego de até 2,5 mil militares das Forças Armadas no estado. O decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União e vale pelo período de 20 a 28 de fevereiro, prazo que pode ser prorrogado. Policiais rodoviários federais também reforçarão o patrulhamento ostensivo.

Ontem, uma comitiva integrada pelos ministros da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, da Defesa, Fernando Azevedo, e da Advocacia-Geral da União (AGU), André Mendonça, visitou o estado. Ao conversar com jornalistas, Moro disse que a situação está sob controle e que espera que a paralisação de parte dos policiais militares do Estado seja resolvida brevemente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *