SP registra aumento de 18% em internações por covid-19 nas redes pública e privada

Arquivado em: Brasil, Destaque do Dia, São Paulo, Últimas Notícias
Publicado terça-feira, 17 de novembro de 2020 as 14:45, por: CdB

O Estado de São Paulo registrou um aumento de 18% nas internações hospitalares pela covid-19 nas redes pública e privada entre a semana encerrada em 7 de novembro e a que foi concluída no último sábado, disse o secretário de Saúde, Jean Gorinchteyn.

Por Redação, com Reuters – de São Paulo

O Estado de São Paulo registrou um aumento de 18% nas internações hospitalares pela covid-19 nas redes pública e privada entre a semana encerrada em 7 de novembro e a que foi concluída no último sábado, disse na segunda-feira o secretário de Saúde, Jean Gorinchteyn, que alertou que se os índices permanecerem em viés de alta, medidas restritivas voltarão a ser adotadas.

Estudante de máscara em escola de São Paulo
Estudante de máscara em escola de São Paulo

Segundo Gorinchteyn, o aumento das hospitalizações em São Paulo se deu após o feriado prolongado do Dia de Finados, quando muitas pessoas saíram de casa. O secretário fez um apelo para que a população evite aglomerações e respeite medidas sanitárias para conter a disseminação do coronavírus.

– Esses números ocorreram após o feriado e repercutem sobre a questão relacionada à aglomeração e também intimamente relacionada à não vigilância daquelas normas de segurança, como distanciamento, evitando-se aglomerações e uso de máscara – disse o secretário em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual.

– Esses dados, porém, ainda não estou consolidados, frente à instabilidade do sistema Sivep-Gripe, do Ministério da Saúde, que vem sendo atualizado. Lembramos que ele ainda pode sofrer novas variações, uma vez que ele ainda encontra-se inoperante – acrescentou.

De acordo com os dados da secretaria, a média diária de novas internações pela doença foi de 1.009 na semana que terminou no último sábado. Foi a primeira vez desde o início de outubro que a média diária de novas internações na semana superou a casa de 1 mil hospitalizações.

Nas últimas semanas, hospitais da rede privada de São Paulo vinham apontando um aumento no número de internações pela covid-19, em um momento em que cada vez mais as pessoas flexibilizam suas medidas de isolamento em meio à retomada das atividades no Estado.

Também houve aumento de hospitalizações no Rio de Janeiro, onde a taxa de ocupação de leitos de UTI para covid-19 na rede municipal subiu para 87%, de acordo com dados da prefeitura da capital fluminense. Na rede pública como um todo, que inclui leitos de unidades municipais, estaduais e federais, a taxa de ocupação no Rio é de 78%.

Para o infectologista Alexandre Naime Barbosa, chefe do departamento de Infectologia da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp), o aumento das internações pela covid-19 mostram que a tendência de recuo da doença que se observava há algumas semanas está sendo revertida e num momento em que a primeira onda da pandemia segue presente.

– As pessoas literalmente cansaram de fazer o isolamento social e muitas estão também cansadas de seguir as normas de prevenção – disse ele, que também é consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia.

Esse cansaço, disse Naime, leva as pessoas, principalmente jovens e pessoas de alta renda, a participarem de “eventos super disseminadores”, como festas de casamento, de aniversário, etc, nos quais o vírus acaba sendo transmitindo tanto para quem foi a esses evento como, posteriormente, para outras pessoas, como familiares, por exemplo.

Reclassificação adiada

Na entrevista coletiva no Bandeirantes, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou o adiamento da nova reclassificação do plano de reabertura da economia do Estado para o dia 30 de novembro, alegando que a instabilidade no sistema do Ministério da Saúde não permite que as equipes técnicas tenham os dados completos para a tomada de decisão.

Gorinchteyn disse que a reclassificação de regiões do Estado para uma fase mais flexível com base nos dados incompletos disponíveis poderia agravar a situação da pandemia. Por isso, segundo ele, optou-se pelo adiamento por uma questão de cautela.

– Nós não podemos fazer com que o cansaço que temos hoje frente às medidas sanitárias de distanciamento possam ser maiores do que o medo ou o risco do próprio vírus. Temos que manter todas as regras sanitárias evitando as aglomerações – disse o secretário.

– Se nós tivermos índices aumentados, seguramente medidas muito mais austeras e restritivas serão realizadas no sentido de continuarmos a garantir vidas – alertou Gorinchteyn.