Spotify sofre processo envolvendo direitos autorais

Arquivado em: Destaque do Dia, Internet, Tecnologia, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 3 de janeiro de 2018 as 11:48, por: CdB

A Spotify não obteve uma licença direta ou obrigatória da Wixen que permitiria reproduzir e distribuir as músicas, disse o processo

Por Redação, com Reuters – de Nova York:

A empresa de transmissão de música Spotify foi processada pela Wixen Music Publishing na semana passada por alegadamente usar milhares de músicas, incluindo as de Tom Petty, Neil Young e o Doors, sem licença e pagamento à editora de música.

A empresa de transmissão de música Spotify foi processada pela Wixen Music Publishing

A Wixen, que tem a licença exclusiva de músicas como Free Fallin de Tom Petty, Light My Fire da banda Doors, (Girl We Got a) Good Thing do Weezer e obras de cantores como Stevie Nicks, está buscando danos no valor de pelo menos US$ 1,6 bilhão.

A Spotify não obteve uma licença direta ou obrigatória da Wixen que permitiria reproduzir e distribuir as músicas, disse o processo, apresentado em um tribunal federal de Califórnia.

A Wixen também alegou que a Spotify terceirizou seu trabalho para um fornecedor de serviços de licenciamento e royalties da Agência Harry Fox, que estava “mal equipado para obter todas as licenças mecânicas necessárias”.

Spotify não quis comentar.

Em maio, o Spotify, com sede em Estocolmo, na Suécia, concordou em pagar mais de R$ 43 milhões para encerrar uma ação coletiva alegando que a empresa não pagou royalties por algumas das músicas que disponibiliza aos usuários.

O valor do Spotify, que está planejando listar ações em bolsa neste ano, cresceu cerca de 20%  nos últimos meses, para pelo menos US$ 19 bilhões.

EUA barram venda da MoneyGram

O plano da chinesa Ant Financial de adquirir o grupo norte-americano de transferência de fundos MoneyGram International entrou em colapso na terça-feira; depois que um painel do governo dos Estados Unidos rejeitou o acordo por temores com a segurança nacional.

O fracasso da transação de US$ 1,2 bilhão representa um golpe para Jack Ma, presidente-executivo do conglomerado chinês de Internet Alibaba Group Holding; que é dono da Ant Financial juntamente com executivos do grupo.

 Ant Financial

Ele buscava expandir a atuação da Ant Financial em meio à acirrada concorrência doméstica; com a plataforma de pagamento WeChat da rival chinesa Tencent Holdings.

Ma, um cidadão chinês que aparece frequentemente com líderes do mais alto escalão do Partido Comunista; prometeu ao presidente dos EUA, Donald Trump; em uma reunião um ano atrás que criaria 1 milhão de empregos nos EUA.

As ações da MoneyGram caíram 8,5 %  no pregão eletrônico.

As companhias decidiram encerrar o acordo após o Comitê sobre Investimento Estrangeiro nos EUA (CFIUS, na sigla em inglês); rejeitar as propostas para mitigar preocupações; com a segurança de dados; que podem ser usados para identificar cidadãos norte-americanos; de acordo com fontes familiarizadas com as discussões.

– Apesar de nossos melhores esforços para trabalhar cooperativamente com o governo norte-americano; tornou-se claro que o CFIUS não aprovará essa fusão –disse o presidente-executivo da MoneyGram, Alex Holmes; em comunicado na terça-feira.

EUA

O governo dos EUA endureceu a posição em relação à venda de companhias norte-americanas para entidades chinesas; num momento em que Trump tenta pressionar a China a ajudar a conter as ambições nucleares da Coreia do Norte; e a ser mais flexível em questões de comércio e câmbio.

O acordo envolvendo a MoneyGram é o mais recente de uma série de aquisições de empresas norte-americanas por chinesas; que não conseguiram aprovação do CFIUS, incluindo a compra por US$ 1,3 bilhão da fabricante de chips Lattice Semiconductor Corp pelo fundo Canyon Bridge Capital Partners; que tem o apoio chinês.

A Ant Financial informou que pagou à MoneyGram US$ 30 milhões devido ao colpaso do acordo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *