Sputnik V para Argentina é ‘saída estratégica’ da covid-19, diz parlamentar

Arquivado em: América Latina, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado quarta-feira, 5 de maio de 2021 as 15:03, por: CdB

Após o acordo recente entre a empresa desenvolvedora da Sputnik V e a farmacêutica Laboratório Richmond da Argentina para a produção da vacina russa Sputnik V, o parlamentar do Mercosul Pablo Vilas analisou as perspectivas dos laços futuros entre os países da região e a Rússia.

Por Redação, com Sputnik – de Buenos Aires

Após o acordo recente entre a empresa desenvolvedora da Sputnik V e a farmacêutica Laboratório Richmond da Argentina para a produção da vacina russa Sputnik V, o parlamentar do Mercosul Pablo Vilas analisou as perspectivas dos laços futuros entre os países da região e a Rússia.

Um carregamento de vacinas Sputnik V desembarca em Buenos Aires, na Argentina

Argentina é o primeiro país da América Latina a começar a produção da vacina russa contra o coronavírus, a Sputnik V. Este fato foi anunciado pelo o Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo) e se refere a um importante avanço no âmbito da cooperação técnica entre o país euroasiático e a região.

– Argentina não apenas ficará na história pela produção, senão também por ser o primeiro país latino-americano a usar a vacina russa contra a covid-19 – afirmou o parlamentar do Mercosul à agência russa de notícias Sputnik.

O Laboratório Richmond assinou um acordo com o RFPI e o Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya (Centro Gamaleya). Neste contexto, “a vacina criada no país sul-americano se chamará Sputnik V.I.D.A. (Vacina de Imunização para o Desenvolvimento Argentino)”, informou Vilas.

– Isso é uma síntese da proposta do governo para a saída estratégica desta pandemia – disse Vilas.

O acordo fechado

O acordo fechado é o resultado de uma política externa soberana, dado que a interação com todos os países “sem cair em dogmas” aumenta as chances do “desenvolvimento científico e tecnológico com qualquer Estado que queira investir no país”, segundo o parlamentar.

– Os acordos geopolíticos e olhar para além dos interesses dogmáticos têm a ver com priorização da saúde e a reativação produtiva de nossos países – concluiu Vilas.

Em 20 de abril, o RFPI e Laboratório Richmond anunciaram a produção do primeiro lote da vacina russa Sputnik V na Argentina. Sputnik V foi a primeira vacina registrada contra a covid-19 no mundo, em agosto de 2020, pelo Ministério da Saúde da Rússia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*

code