O STF é comunista!

Arquivado em: Destaque do Dia, Opinião, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 31 de agosto de 2018 as 19:38, por: CdB

Por não lerem Marx e dizer combatê-lo, esticam a corda em favor dos empresários e assim contribuem para que os estudos do alemão sobre a concentração de renda (e o fosso que separa as classes sociais) vire realidade.

 

Por Sergio Bertoni – de Curitiba

 

Sim, senhores e senhoras, o STF ao liberar a Terceirização Total cria uma insegurança jurídica no mundo do trabalho que afeta a todos: homens, mulheres, brancos, negros, heteros, homossexuais, inteligentes, burros, espertos, otários, religiosos, ateus e midiotas de todas as categorias e classes.
Por não lerem Marx e dizer combatê-lo, esticam a corda em favor dos empresários e assim contribuem para que os estudos do alemão (que mais estudou e entende de capitalismo) sobre a concentração de renda (e o fosso que separa as classes sociais) vire realidade.

O líder Stalin perderia, diante da atuação do Judiciário nacional
O líder Stalin perderia, diante da atuação do Judiciário nacional

Com a liberação da terceirização o STF estimula a luta de classes. Força a unidade da classe, dividida por lutas identitaristas que não afetam o capitalismo. Se o fato de sermos todos trabalhadores não nos unia mais, quem sabe agora que seremos todos terceirizados consigamos nos unir. A decisão do STF permite aos patrões precarizar as condições de trabalho e de contratação do mesmo ao extremo.

Neoliberalismo

No popular? Permite ao patrão enfiar o nabo no rabo dos trabalhadores e trabalhadoras. E se estes não reagirem enfiam mais e mais em todos e todas.

Esta poderá ser uma das vias pela qual chegaremos ao “comunismo”, com todos e todas sendo escravizados da mesma forma. Só que agora não será sob o controle do “maldoso” partido único comunista, mas sim do “querido e bondoso” mercado capitalista, do 1% da população mundial contra os 99% de seres coisificados que se acham humanos.

Claro que as fundações do neoliberalismo social (Soros, Fundação Ford e que tais) se esforçarão para criar organizações identitárias de terceirizados para nos manter divididos.

Coisificação

Porém, a barbárie será tamanha que mais cedo ou mais tarde a classe dos terceirizados será forçada a reagir e, assim como franceses no século XVIII e russos no século XX, fazer uma revolução para acabar com o sistema que a terceiriza, escraviza, desumaniza e coisifica. E esta poderá ser outra via para se chegar ao Comunismo.

Obviamente a reação não será imediata. Levará algumas décadas para que aconteça. Mas quando acontecer, para nós não será novidade. Não surfará nessa onda quem não quiser!

E para encerrar, seguindo o velho ditado popular “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura” deixo aqui algumas palavras escritas em 2007:

“Um dos maiores erros cometidos por parte da esquerda foi acreditar que a tomada do poder político (ganhar o governo) facilitaria o processo de transformação econômica. A história já demonstrou que aqueles que conquistam o poder político, sem ter o poder econômico, acabam transformados em servos do último e, nos casos onde não se submetem aos pesados interesses econômicos, são expulsos do poder político por movimentos mais atrasados e piores para os Trabalhadores, piores até que os derrotados pela esquerda no período anterior.

A Internacional

“Para evitar este desastre socio-político é preciso que existam na sociedade forças extremamente organizadas a partir da base e preparadas para fazer com que a economia funcione, capaz de gerar riquezas, segundo novas condições. Em outras palavras é preciso construir poder econômico, tendo os Trabalhadores não só a frente deste processo, mas sujeito dos mesmos.

(Escrevemos este parágrafo em 2007, publicado na apresentação do livro Concepção Anarquista de Sindicalismo de autoria de Neno Vasco, o anarco-sindicalista português que traduziu para a língua pátria os versos de A Internacional”.)

Quem sabe um dia consigamos entendê-las e aprendamos com nossos próprios erros. Quem sabe!

Sergio Bertoni é coordenador da rede social Blogoosfero.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *