Stock Car será ainda mais veloz na pista de Jacarepaguá

Arquivado em: Arquivo CDB
Publicado quarta-feira, 14 de maio de 2003 as 17:04, por: CdB

Vencedor de duas das três provas da temporada do Campeonato
Brasileiro de Stock Car V8, o piloto David Muffato, vice-líder da
competição, acredita que a chegada dos pneus italianos na próxima etapa da categoria, dia 25 deste mês no Autódromo de Jacarepaguá, no Rio, vai provocar várias mudanças no comportamento dos carros e na forma de guiar dos pilotos. A pista carioca é a que detém a maior velocidade final de um Stock V8: 247 km/h. Tudo indica que os carros ultrapassarão, facilmente, os 250 km/h.

– Esses pneus são uma incógnita para todas as equipes. Na minha opinião vão provocar mudanças radicais na maneira de pilotar, pois os pilotos poderão ser mais agressivos durante toda a prova ao contrário dos pneus antigos, que obrigavam a gente a economizar para ter maior durabilidade – disse Muffato.

Opinião semelhante tem o líder Ingo Hoffmann, 12 vezes campeão da mais tradicional e disputada categoria brasileira. Apesar de ainda não ter testado o novo pneu num Stock Car, Ingo conhece os Pirelli importados por já ter usado a mesma marca com composto semelhante no Porsche nas Mil Milhas de 2003.

– É óbvio que os carros vão melhorar muito. Agora, quanto a provocar uma revolução não sei, pois depende do conceito que cada um tem de revolução. Teremos mais velocidade em curva e vamos ter de mexer em molas, amortecedores. Apesar de ainda não ter andado com os novos pneus, posso afirmar que são muito melhores.

Cacá Bueno, terceiro colocado no campeonato, acredita em evolução, mas não tem tanta certeza de como o carro vai reagir aos pneus italianos. Para o carioca, que tem conquistado bons resultados em Jacarepaguá, existe a expectativa de todos os recordes de pista da Stock Car serem quebrados. Em 2002 Cacá largou na pole e venceu de ponta a ponta.

– Toda a informação antecipada é precipitada, pois ninguém ainda andou com esses pneus e não sabemos como o carros vão reagir. Realmente, existe uma tendência de todos os tempos serem reduzidos. O quanto ainda não sabemos – completou Cacá que em 1997, na Stock Light, conquistou uma inédita vitória diante dos Stock Car que, na época, corriam juntos.

Carlos Alves é um dos quatro pilotos que tiveram a oportunidade de
experimentar os novos pneus. Ele, Chico Serra, Alceu Feldmann e Guto Negrão deram poucas voltas em Interlagos com pneus italianos já usados. Mesmo sem tempo para mexer nos carros e fazer acertos, os tempos caíram em cerca de três segundos por volta.

– Vamos virar mais rápido e todos os recordes das pistas serão quebrados. Acredito que seremos mais rápidos do que os Porsche em Interlagos. Os Porsche viraram em 1m39 enquanto no warm up os Stock fizeram 1m41. Tirando três segundos, seremos mais velozes – disse Carlão que também prevê modificações em molas e amortecedores.

Cinco primeiros colocados

1.- Ingo Hoffmann, 57 pontos
2.- David Muffato, 50
3.- Cacá Bueno, 33
4.- Gualter Salles, 30
5.- Giuliano Losacco, 28