Subsecretário de Inteligência da Polícia Militar do Rio é exonerado

Arquivado em: Destaque do Dia, Polícia, Rio de Janeiro, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 29 de novembro de 2019 as 12:10, por: CdB

O subsecretário de Inteligência da Polícia Militar do Rio de Janeiro, coronel Rubens Castro Peixoto Júnior, foi exonerado, nesta sexta-feira.

Por Redação, com ABr – do Rio de Janeiro

O subsecretário de Inteligência da Polícia Militar do Rio de Janeiro, coronel Rubens Castro Peixoto Júnior, foi exonerado, nesta sexta-feira, após a deflagração da operação para a prisão de policiais militares acusados de envolvimento em crimes de extorsão, concussão, organização criminosa e roubo qualificado.

PMs subodinados ao subsecretário foram presos esta manhã
PMs subodinados ao subsecretário foram presos esta manhã

Segundo a Secretaria de Estado de Polícia Militar, para o lugar do coronel será nomeado o coronel Murilo César de Miranda Angelloti, atualmente comandante de Policiamento Especializado (CPE). Os policiais presos eram subordinados ao subsecretário.

A operação teve como alvos policiais militares do setor de inteligência da corporação e cumpriu sete mandados de prisão e 14 de busca e apreensão.

De acordo com a Secretaria de Estado da Polícia Civil, cinco policiais foram presos e duas pessoas ainda não foram localizadas, entre elas uma mulher. Nas casas de dois dos presos foram recolhidos R$ 44 mil, sendo que parte do dinheiro foi encontrado dentro de um par de sapatos. Os agentes apreenderam ainda material pirata roubado de comerciantes, como tênis, relógios, roupas e brinquedos, além de HDs do circuito do comércio.

Armas

A prisão temporária é de cinco dias. Foram encontradas também duas armas, mas conforme a Polícia Civil, estavam legalizadas, inclusive uma de uso da Marinha, que está em nome do sogro de um dos envolvidos.

A operação é realizada por agentes da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM), com apoio da Corregedoria da Polícia Militar.

A Polícia Civil informou que as investigações duraram dois meses e indicaram que os acusados se faziam passar por agentes da Delegacia de Repressão para extorquir dinheiro de comerciantes em diversas partes do estado do Rio de Janeiro. Ainda durante as investigações várias vítimas prestaram depoimento e auxiliaram na identificação do grupo criminoso.