Suécia anuncia sua retirada de missão militar europeia no Mali

Arquivado em: África, Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sexta-feira, 14 de janeiro de 2022 as 10:31, por: CdB

A missão Takuba, que se segue à Barkhane, foi liderada pela França e teve participação de um total de 14 países europeus com o objetivo de combater o terrorismo na região de Sahel, África Ocidental. Emmanuel Macron, presidente francês, já reduziu o contingente para menos de 5 mil tropas.

Por Redação, com Sputnik – de Seul

Segundo Ann Linde, ministra das Relações Exteriores da Suécia, o país terminará neste ano sua participação como parte da missão de forças especiais europeias Takuba, que se iniciou dois anos antes.

Suécia anuncia sua retirada de missão militar europeia no Mali em 2022

As forças especiais da Suécia deixarão sua missão no Mali em 2022, revelou nesta sexta-feira Ann Linde, ministra das Relações Exteriores do país europeu, citada pela agência britânica Reuters.

– Já decidimos que neste ano sairemos (da) força Takuba. A questão é o que fazemos com a Minusma – disse ela aos repórteres à margem de um encontro em França de chanceleres de países da União Europeia em referência à missão de manutenção da paz da ONU.

A missão Takuba, que se segue à Barkhane, foi liderada pela França e teve participação de um total de 14 países europeus com o objetivo de combater o terrorismo na região de Sahel, África Ocidental. Emmanuel Macron, presidente francês, já reduziu o contingente para menos de 5 mil tropas.

Grupo militar privado

Linde também referiu a presença de um suposto grupo militar privado Wagner afiliado à Rússia, algo que tem sido criticado pela coalizão ocidental no Mali. Entretanto, o governo militar do país africano acusa Paris de o abandonar.

“(…) Se eles (grupo Wagner) tiverem um impacto mais forte, então não será possível continuar com esses grandes números de tropas de nossa parte. Claro que isso terá consequências”, comentou a MRE sueca, acrescentando que o Parlamento de seu país debaterá a questão na próxima semana.

O corpo legislativo do país europeu aprovou o destacamento de até 150 militares para Takuba em 2020 e mantém mais 250 efetivos como parte da missão de paz da ONU.

Vasily Nebenzya, representante permanente da Rússia na ONU, disse na terça-feira que, à luz da redução das forças de países ocidentais no Mali, “os malianos ficaram na prática sozinhos frente aos terroristas”, pelo que eles têm todo o direito de recorrer àqueles que podem reforçar a segurança do país.

A “histeria” em torno do chamado grupo Wagner, indicou, é “mais uma demonstração de duplo padrão, pois é bem conhecido que o mercado dos serviços em questão é monopolizado por países do Ocidente”.

Moscou nega ter algum tipo de presença militar no Mali, mas diz ter contatos militares com vários países, incluindo na África.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code