Suspeita foi a facada que elegeu Bolsonaro

Arquivado em: Arquivo CDB, Boletim, Destaque do Dia, Direto da Redação, Últimas Notícias
Publicado quinta-feira, 31 de dezembro de 2020 as 12:24, por: CdB
O desgoverno Bolsonaro perdeu o pouco respeito que lhe restava (ou nada já lhe restava?) ao fazer chacota com as torturas cometidas pela ditadura militar. Todos nós que lutamos contra a ditadura temos, na própria carne ou em pessoas da família, dolorosas lembranças desse tempo ignóbil no qual a tortura e o assassinato faziam parte dos métodos aplicados para garantir a permanência no poder.
Aqui transcrevemos o depoimento de Celso Lungaaretti, um dos mais jovens combatentes, naquela época, contra a ditadura, até hoje com as marcas das torturas sofridas.
Bolsonaro faz chacota com a tortura utilizada pela ditadura militar
O genocida quer que lhe mostrem o raio-X de fratura sofrida por Dilma Rousseff ao ser torturada durante a ditadura militar.
Todos querem algo. Eu, por exemplo,  continuo querendo até hoje uma prova cabal de que o dito cujo sofreu uma facada na campanha eleitoral de 2018, ao invés de haver protagonizado uma tosca encenação para obter a compaixão dos eleitores e pretexto para escafeder-se dos debates eleitorais nos quais estava sendo triturado pelos oponentes.
Como revolucionário, tenho muitas críticas à atuação de Dilma Rousseff, de quem fui companheiro  de organização nos três meses de 1969 transcorridos entre a fusão VPR/Colina e o racha que restaurou a VPR, desmembrando-a da VAR-Palmares. Saímos do Congresso de Teresópolis da VAR (palco do racha) em direções diferentes e continuamos divergindo politicamente até hoje, meio século depois.
Mas, como já fiz noutras ocasiões, sou-lhe sempre solidário quando atacada pelos remanescentes dos governos ditatoriais, por ex-torturadores e  por fãzocas de réprobos da civilização.

Não posso certificar torturas que não presenciei, mas historiadores, imprensa e as várias comissões da verdade já comprovaram irrefutavelmente que a tortura era uma política de Estado durante a ditadura militar.

 
Regra, portanto, e jamais exceção, como mentirosos contumazes hoje sustentam, sem se darem conta do ridículo em que incorrem, pois a credibilidade deles é nenhuma.
A minha passagem pelos porões da ditadura me permite afirmar que raríssimos eram os presos políticos poupados daquelas bestialidades e dirigentes jamais estavam entre tais felizardos.
Um ex-militar que docilmente entregou arma e moto para a bandidagem não tem moral nenhuma para questionar torturas sofridas… por mulheres! Como se dizia antigamente, macaco, olha o teu rabo(por Celso Lungaretti, que passou por três cirurgias em função dessas torturas que os cínicos agora dão como inexistentes) . Publicado no Náufrago da Utopia.
Direto da Redação é um fórum de debates publicado pelo jornalista Rui Martins.