Suspeito de ataque em Londres cumpriu pena por terrorismo

Arquivado em: Destaque do Dia, Europa, Mundo, Últimas Notícias
Publicado sábado, 30 de novembro de 2019 as 11:40, por: CdB

Segundo polícia, britânico de 28 anos foi condenado em 2012 por planejar atentado a bomba e estava em liberdade condicional desde o ano passado. Ataque deixou dois mortos e três feridos.

Por Redação, com DW – de Londres

O britânico de 28 anos suspeito de atacar pedestres na Ponte de Londres com uma faca já havia sido condenado por terrorismo em 2012 e foi libertado da prisão no ano passado, confirmou a polícia neste sábado. As autoridades buscam pistas para esclarecer como ele conseguiu promover o ataque, que deixou dois mortos e três feridos, estando em liberdade condicional.

Suspeito esfaqueou pedestres na Ponte de Londres
Suspeito esfaqueou pedestres na Ponte de Londres

Identificado como Usman Khan, o suspeito foi condenado a 16 anos de prisão em 2012 por participar de um grupo que estava planejando um ataque à Bolsa de Valores de Londres. O atentando a bomba foi inspirando em ações do grupo terrorista Al Qaeda. Khan era um dos nove integrantes da organização que teria inclusive construído um campo de treinado terrorista no Paquistão.

– Esse indivíduo era conhecido das autoridades, condenado em 2012 por terrorismo. Claramente, uma linha-chave de investigação é estabelecer como foi possível para ele realizar esse ataque – afirmou o chefe do departamento de antiterrorismo da Scotland Yard, Neil Basu, em comunicado.

Segundo Basu, Khan estava participando de um programa educacional para detentos. Basu disse ainda que o suspeito parecia estar usando um colete explosivo que se revelou falso. De acordo com a imprensa britânica, Khan estaria usando uma tornozeleira eletrônica no momento do ataque e era monitorado pelas autoridades.

O ataque

O atentado levanta questões difíceis para o governo do Reino Unido sobre os serviços de segurança. Em liberdade condicional, Khan deveria cumprir certas condições para evitar seu retorno à prisão. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, afirmou que ele argumenta “há muito tempo” que é um “erro permitir que criminosos violentos saiam da prisão de maneira antecipada”.

O ataque ocorreu por volta das 14h (horário local) de sexta-feira. O suspeito começou a esfaquear pedestres na Ponte de Londres. Antes de ser morto pela polícia, ele matou duas pessoas, um homem e uma mulher, e feriu outras três. As autoridades disseram que um dos feridos está em estado em grave, mas suas condições são estáveis.

Testemunhas afirmam ter visto o que aparentava ser uma luta corporal na ponte e escutado vários tiros. Um dos vídeos postados nas redes sociais mostrava homens em trajes civis se confrontando até um policial se aproximar e separá-los. Pouco depois foram ouvidos os disparos. Outras imagens mostravam policiais com armas em punho mantendo uma certa distância do suspeito.

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, elogiou a coragem civil e o ato de “heroísmo” daqueles que se colocaram em perigo para conter o suspeito.

Segundo o ministro de Segurança britânico, Brandon Lewis, a polícia não acredita que haja outros envolvidos no ataque.

O incidente trouxe lembranças de um ataque ocorrido na Ponte de Londres em junho de 2017, quando terroristas avançaram com um veículo contra pedestres matando duas pessoas, antes de atacarem a faca outras em um mercado nas proximidades. O ataque naquele ano ocorreu a poucos dias das eleições gerais. Neste ano, os britânicos voltam às urnas no dia 12 de dezembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *